Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta quinta-feira, 14 de maio

© AFP 2021 / Silvio AvilaFuncionário da prefeitura usa roupa protetora em desinfecção de centro comercial em Caxias do Sul, 13 de maio de 2020
Funcionário da prefeitura usa roupa protetora em desinfecção de centro comercial em Caxias do Sul, 13 de maio de 2020 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Bom dia! A Sputnik Brasil está acompanhando as notícias mais relevantes desta quinta-feira (14), marcada pela piora na situação da COVID-19 no Ceará, pelo acordo entre Netanyahu e Gantz para formar governo em Israel e pelo aumento da violência no Afeganistão.

Brasil chega a 13 mil mortes e bate recorde em novo número de casos

De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil tem 188.974 casos de COVID-19 e 13.149 mortes. Nas últimas 24 horas, foram confirmados 11.385 casos, maior número desde o início da pandemia. O Ceará ultrapassou o Rio de Janeiro e é o segundo estado mais afetado da federação, atrás somente de São Paulo. O Brasil superou a França e é o sexto país do mundo mais atingido pela COVID-19, tanto em número de casos, quanto em óbitos, segundo a Universidade Johns Hopkins (EUA).

Divulgação do vídeo da reunião ministerial será decidida hoje

Nesta quinta-feira (14), termina o prazo para que a Procuradoria Geral da República (PGR) e o governo opinem sobre a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, durante a qual Bolsonaro teria expressado desejo de interferir na Polícia Federal (PF), conforme acusou o ex-ministro Sergio Moro. O inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar as intenções do presidente da República ouviu mais três testemunhas ontem (13): o ex-chefe da PF do Rio, Carlos Henrique Oliveira, o delegado da PF, Alexandre Saraiva, e a deputada federal Carla Zambelli.

© REUTERS / Adriano Machado Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ajusta sua máscara ao deixar o Palácio da Alvorada, em Brasília, 13 de maio de 2020
Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta quinta-feira, 14 de maio - Sputnik Brasil
Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ajusta sua máscara ao deixar o Palácio da Alvorada, em Brasília, 13 de maio de 2020

Maduro acusa Guaidó de planejar invasão durante reunião na Casa Branca

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou o líder da oposição Juan Guaidó de ter se reunido com Jordan Goudreau, ex-militar norte-americano e chefe da empresa de segurança privada Silvercorp EUA, no dia 4 de fevereiro de 2020, na Casa Branca, em Washington. Na ocasião, os dois teriam selado contrato para realizar a invasão do país sul-americano, alega Maduro. As Forças Armadas da Venezuela frustraram a tentativa de invasão do país, coordenada pela empresa Silvercorp EUA, no dia 3 de maio. 52 pessoas estão detidas na Venezuela em função do incidente, inclusive dois cidadãos norte-americanos. Leia mais sobre o incidente

Governo de unidade israelense deve tomar posse hoje

Nesta quinta-feira (14), governo de unidade israelense deve tomar posse, colocando fim a 18 meses de crise política no país. O governo conta com a liderança do atual primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e seu principal oponente, e agora aliado, Benny Gantz, líder da coalisão Azul e Branco. Netanyahu deve liderar o governo israelense por mais 18 meses e ser sucedido por Ganz. Nesta quarta-feira (13), durante visita do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, ao país, Netanyahu informou o presidente Reuven Rivlin ter finalizado a formação do novo governo.

© REUTERS / Sebastian ScheinerSecretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, se reúne com o líder da coalizão Azul e Branco, Benny Gantz, 13 de maio de 2020
Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta quinta-feira, 14 de maio - Sputnik Brasil
Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, se reúne com o líder da coalizão Azul e Branco, Benny Gantz, 13 de maio de 2020

ONU alerta para crise na saúde mental em função da COVID-19

Relatório da Organização das Nações Unidas urgiu governos a investir em tratamento psicológico e se preparar para uma crise de grandes proporções na saúde mental de seus cidadãos, em função da COVID-19. A diretora do departamento de saúde mental da Organização Mundial da Saúde (OMS), Devora Kestel, disse que "o isolamento, o medo, a incerteza e a instabilidade econômica" causam "problemas psicológicos" e "diminuem de forma significativa o bem estar das sociedades". De acordo com a ONU, crianças e adolescentes podem estar entre os mais atingidos por depressão e ansiedade, em função do isolamento social. Leia mais sobre o relatório da ONU

© REUTERS / Edgard GarridoMexicana olha pela janela após perder o seu marido, infectado pela COVID-19, na Cidade do México, 29 de abril de 2020
Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta quinta-feira, 14 de maio - Sputnik Brasil
Mexicana olha pela janela após perder o seu marido, infectado pela COVID-19, na Cidade do México, 29 de abril de 2020

Ataque à bomba contra base do exército afegão deixa 5 mortos

Nesta quinta-feira, um caminhão-bomba explodiu em uma praça na cidade afegã de Gardez, na província de Paktia, próximo a uma base do Exército Nacional do Afeganistão, informou o correspondente da Sputnik. A explosão deixou pelo menos cinco mortos e 14 feridos, um dia após outro ataque a uma maternidade matar 14 pessoas, incluindo mães e bebês recém-nascidos, na capital afegã, Cabul. O porta-voz da província, Abdullah Hasrat, acredita que o grupo Lashkar-e-Taliba, ligado ao Talibã, (organizações terroristas proibidas na Rússia e demais países) esteja por trás dos ataques.

© REUTERS / Omar SobhaniBebês recém-nascidos que perderam as mães em atentado à maternidade em Cabul, Afeganistão, 13 de maio de 2020
Manhã com Sputnik Brasil: destaques desta quinta-feira, 14 de maio - Sputnik Brasil
Bebês recém-nascidos que perderam as mães em atentado à maternidade em Cabul, Afeganistão, 13 de maio de 2020

Países do BRICS reduzem uso do dólar no comércio intra-bloco

O número de transações comerciais realizadas em dólares entre a Rússia e os países do BRICS se reduziu em 25%, informou o Banco Central de Moscou. Em 2019, somente 49% das transações foram feitas na moeda norte-americana, comparado com 73% no ano anterior. Por outro lado, a participação do euro aumentou em 15 pontos percentuais de 2018 a 2019. A moeda russa, que era utilizada em somente 8% das transações, hoje atinge 14% de participação. No caso do comércio entre a Rússia e a Índia, o rublo é a moeda preferencial em 56% das transações.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала