Fósseis de 1.500 anos que teriam inspirado a lenda de Mulan são encontrados na Mongólia

© Foto / Pixabay / PeterDargatzFóssil
Fóssil - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A lenda está relacionada a uma época de fragmentação política na qual "havia necessidade de as mulheres defenderem o lar e o país", afirmam pesquisadores.

Uma equipe de arqueólogas encontrou na Mongólia os fósseis de duas mulheres guerreiras de 1.500 anos, que poderiam ter inspirado "A balada de Hua Mulan", segundo o portal Live Science.

Os esqueletos encontrados pertenciam a duas mulheres, uma de mais de 50 anos e outra de aproximadamente 20 anos, que viveram durante o período Xianbei.

A escavação foi realizada em um cemitério do sítio arqueológico no norte da Mongólia. Ainda que os fósseis não revelam nome algum, são datados do século IV ou V, mesmo período em que surgiu a lenda de Mulan, que foi adotada pela Disney em 1998.

Pesquisadores consideram que as duas mulheres eram atléticas e praticavam tiro com arco e cavalgada. "É possível que precisassem das mulheres para defender o lar e o país com os homens", ressaltam as autoras do estudo, Christine Lee e Yahaira González, bioarqueólogas da Universidade do Estado da Califórnia.

​Duas "mulheres guerreiras" da antiga Mongólia teriam inspirado "A balada de Hua Mulan".

Além disso, muitos historiadores atribuíram a figura de Mulan ao período Xianbei, uma época de fragmentação política e distúrbios. "Minha pesquisa apenas reforça o que já foi descoberto", afirma Lee.

Segundo a lenda, Mulan se juntou ao exército para que seu pai não tivesse que partir, em um momento em que havia diversos conflitos na região naquela época.

Chineses foram os primeiros a escrever o poema narrativo, motivo pelo qual é visto como uma história chinesa, embora a protagonista seja uma líder militar da Mongólia.

Foram analisados fósseis de humanos em 29 sepulturas de elite em busca de sinais de longas cavalgadas, tiro com arco e traumas.

Ao todo, foram encontrados 16 esqueletos de homens, 10 de mulheres e três não identificados, além de descobrir que os fósseis de duas mulheres guerreiras tinham sinais de cavalgadas e arco, porém nenhuma delas apresentava sinais de trauma por batalha, provavelmente devido ao fato de fazerem parte da elite, e por isso, não participavam diretamente dos combates.

Na maior parte da Ásia, "a mulher ideal era vista como indefesa e dócil", enquanto na Mongólia, as mulheres desfrutavam de liberdades que não eram encontradas em certas culturas contemporâneas.

Na Mongólia, havia rainhas que lideravam exércitos, mulheres que poderiam herdar propriedades e decidir com quem queriam se casar, ressaltam as autoras.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала