Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

COVID-19 se agrava, mas Bolsonaro inclui academias e barbearias como serviços essenciais

© Folhapress / Wagner Pires / Futura PressPresidente Jair Bolsonaro fala com a imprensa ao retornar ao Alvorada, em Brasília (DF)
Presidente Jair Bolsonaro fala com a imprensa ao retornar ao Alvorada, em Brasília (DF) - Sputnik Brasil
Nos siga no
O presidente Jair Bolsonaro publicou nesta segunda-feira (11) um decreto que alterou a lista de serviços essenciais que podem funcionar durante a pandemia do novo coronavírus e que agora inclui, por exemplo, academias e barbearias.

Conforme declarado no decreto, publicado no Diário Oficial da União (DOU), "salões de beleza e barbearias" e "academias esportivas de todas as modalidades" serão considerados "serviços essenciais".

Na semana passada, uma modificação semelhante também incluiu "atividades de construção civil" e "atividades industriais" como essenciais, mas em todos os casos acrescenta-se que as determinações do Ministério da Saúde devem ser respeitadas.

Com essa nova inclusão, a lista de atividades que o governo considera essenciais chega a 57, após mudanças repetidas nas últimas semanas. No entanto, isso não significa que os estabelecimentos mencionados possam ou devam abrir imediatamente.

© Folhapress / Adriano Ishibashi / FramePhotoAparelhos de academia ao ar livre seguem isolados no Rio de Janeiro
COVID-19 se agrava, mas Bolsonaro inclui academias e barbearias como serviços essenciais - Sputnik Brasil
Aparelhos de academia ao ar livre seguem isolados no Rio de Janeiro

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que estados e municípios têm jurisdição para legislar sobre medidas de isolamento social sem que o governo federal interfira.

No momento, a maioria dos governos estaduais está optando por manter as restrições, alguns inclusive apertando ainda mais o cerco rumo a um isolamento rígido, portanto este e outros decretos do presidente têm pouco efeito.

No Brasil, até o momento 11.519 pessoas morreram de COVID-19 e existem 168.331 casos da doença.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала