- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Cerca de 500 respiradores importados pelo governo de SP ficam bloqueados em aeroporto da China

© Folhapress / Fábio Vieira/FotoRuaPouco movimento de pedestres, alguns usando máscaras de segurança, e lojas fechadas na Avenida Paulista, na região central de São Paulo, na manhã deste sábado, 21, devido ao novo coronavírus, que transmite a COVID-19
Pouco movimento de pedestres, alguns usando máscaras de segurança, e lojas fechadas na Avenida Paulista, na região central de São Paulo, na manhã deste sábado, 21, devido ao novo coronavírus, que transmite a COVID-19 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os primeiros 500 respiradores que o governo de São Paulo comprou da China e que chegariam no último sábado (2) ficaram bloqueados no aeroporto de Pequim.

O bloqueio foi feito porque, segundo publicado pelo jornal Folha de S.Paulo, o governo chinês decidiu limitar a 150 o número de itens de cada mercadoria que pode ser embarcada nos aviões para exportação para que outros produtos hospitalares, e não apenas respiradores, possam ser entregues em outros países com velocidade.

O governo de São Paulo tinha comprado 3 mil respiradores que seriam transportados em levas de 500 por vez. Wilson Mello, presidente da InvesteSP, empresa do governo responsável pela operação, disse que foi necessário mudar a papelada para que pelo menos os primeiros 150 respiradores cheguem a São Paulo nos próximos dias.

"Não durmo há 15 dias", disse Mello. "Vivemos uma loucura na logística global em que nada funciona como antes. Há restrição de contêineres e aviões, há muito menos voos entre os países", completou.

A InvesteSP estuda embarcar cada lote de 150 da China em aviões que vão para diferentes países e, depois, de cada um deles para o Brasil. Outra opção é fretar aviões para ir à China buscar a mercadoria.

Segundo o governo de São Paulo, é imprescindível que todos os respiradores cheguem ao estado até o fim de maio porque, sem os equipamentos, não é possível ampliar os leitos para pacientes graves de COVID-19.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала