Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

COVID-19: Brasil adota 'posição equivocada e suicida' em temas internacionais, diz especialista

© Folhapress / Mateus Bonomi / AgifPresidente Jair Bolsonaro no salão nobre do Palácio do Planalto, em Brasília (DF)
Presidente Jair Bolsonaro no salão nobre do Palácio do Planalto, em Brasília (DF) - Sputnik Brasil
Nos siga no
Ao se tornar o epicentro da pandemia do coronavírus na América Latina, o Brasil aprofunda o isolamento político na região ao gerar preocupação de governos vizinhos.

O presidente argentino, Alberto Fernández, por exemplo, declarou na semana passada à Radio con Vos que o avanço da pandemia no Brasil representa "um risco muito grande".

"Aqui estão entrando caminhões do Brasil transportando cargas de São Paulo, que é um dos locais mais infectados", disse Fernández.

Arnaldo Francisco Cardoso, cientista político e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em entrevista à Sputnik Brasil, observou que a pandemia do coronavírus acentua um processo de desprestígio do governo brasileiro em temas internacionais.

"Desde a posse do atual presidente do Brasil, as relações exteriores do país com os seus vizinhos da América do Sul sofreram deterioração em função de uma série de ações, como a decisão brasileira por um alinhamento automático com os EUA, [...] bem como declarações desastrosas do presidente da república contra governos da região, alimentadas por orientação ideológica desprovida de equivalente racional acerca dos interesses nacionais e regionais", destacou.

O especialista argumentou que no contexto da grave crise sanitária imposta pela pandemia da COVID-19, essas relações abaladas "se mostram ainda mais danosas para o enfrentamento de uma situação que demanda estreita cooperação e solidariedade internacionais".

"Ser o maior país da América do Sul, dividir fronteiras terrestres com nove países ao longo de quase 17 mil quilômetros já confere ao Brasil uma condição de importância que não pode ser relativizada, para o bem ou para o mal. Agora, juntando a isso, o contexto da pandemia, a proliferação de um vírus com alto poder de contágio e letalidade, tudo fica ainda mais sensível", afirmou.

De acordo com Arnaldo Francisco Cardoso, o processo de perda de prestígio internacional do Brasil antecede a pandemia. "Nações democráticas pelo mundo e organizações internacionais como a ONU vêm expressando apreensão com isso. A pandemia, na verdade, só agudizou esse processo", afirmou.

O especialista acrescentou que os impactos econômicos desse isolamento serão sentidos no pós-pandemia, tendo em vista que a "recuperação das economias nacionais dependerá de intensa cooperação internacional, investimentos estrangeiros, acordos comerciais".

"A equivocada e suicida posição do governo brasileiro em temas internacionais se defrontará com uma fatura que não será fácil quitar", completou.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала