EUA poderão nunca restaurar o financiamento para a OMS, alerta Pompeo

© AP Photo / Nicholas Kamm / Pool PhotoSecretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante coletiva de imprensa em Washington (imagem referencial)
Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, durante coletiva de imprensa em Washington (imagem referencial) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que uma reforma fundamental da Organização Mundial da Saúde (OMS) é necessária após o tratamento da pandemia do novo coronavírus e que os EUA, o maior doador do órgão, podem abandonar em definitivo o seu financiamento.
"Acho que precisamos dar uma boa olhada na OMS e no que fazemos com isso", afirmou Pompeo à Fox News na quarta-feira (22). "Nós a reformamos em 2007, então não é a primeira vez que temos que lidar com as deficiências dessa organização que fica dentro da ONU. Precisamos de uma correção. Precisamos de uma correção estrutural com a OMS".

O presidente Donald Trump suspendeu o financiamento dos EUA à OMS na semana passada, acusando-a de ser "centrada na China e promovendo a "desinformação" chinesa sobre o surto. Os funcionários da OMS negaram isso e a China insiste que foi transparente e aberta.

Os EUA têm sido o maior doador geral da OMS, contribuindo com mais de US$ 400 milhões em 2019, aproximadamente 15% de seu orçamento. Autoridades dos EUA informaram na semana passada à agência Reuters que Washington poderia redirecionar esses fundos para outros grupos de ajuda.

Pompeo, perguntado se não estava descartando uma mudança na liderança da OMS, respondeu: "Mais do que isso, pode ser o caso de os Estados Unidos nunca mais voltarem a subscrever, tendo os dólares dos contribuintes dos EUA na OMS".

Questão eleitoral

Mas a possibilidade de os EUA cessarem definitivamente seu financiamento ao organismo global depende de Trump ter sucesso em sua candidatura à reeleição na votação presidencial de novembro, contra o candidato democrata Joe Biden.

© REUTERS / Aly SongVoluntários desinfetam teatro em Wuhan, província de Hubei, o epicentro do coronavírus, 2 de abril de 2020
EUA poderão nunca restaurar o financiamento para a OMS, alerta Pompeo - Sputnik Brasil
Voluntários desinfetam teatro em Wuhan, província de Hubei, o epicentro do coronavírus, 2 de abril de 2020

Outros democratas criticaram a decisão de Trump, dizendo que ele estava tentando desviar a culpa de seu governo pelo tratamento do surto do novo coronavírus nos Estados Unidos. A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, classificou a medida para suspender o financiamento da OMS "perigosa".

Na quarta-feira, Pompeo destacou que os EUA "acreditavam firmemente" que Pequim havia falhado em relatar o surto em tempo hábil, violando as regras da OMS, e falhado em relatar a transmissão do vírus humano a humano "por um mês, até que estivesse em todas as províncias da China".

Pompeo comentou que o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, não usou sua capacidade de "ir a público" quando um Estado membro não seguiu as regras.

Ele pontuou que a OMS tem a obrigação de garantir que os padrões de segurança sejam observados nos laboratórios de virologia em Wuhan, o epicentro do surto inicial de coronavírus na China, e que seu diretor-geral tem "enorme autoridade em relação aos países que não cumprem".

O chefe interino da Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional (USAID) disse na quarta-feira que os Estados Unidos avaliariam se a OMS estava sendo executada adequadamente e procurariam parceiros alternativos fora do corpo.

O surto do novo coronavírus começou no final do ano passado na China e se tornou uma pandemia global. Segundo dados da Universidade Johns Hopkins, a doença matou mais de 185 mil pessoas em todo o mundo, incluindo quase 48 mil nos Estados Unidos, tornando-o o país mais atingido pelas estatísticas oficiais.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала