Governo da Suécia precisa de 'ação rápida e radical' para evitar catástrofe, apelam 22 cientistas

© REUTERS / Henrik Montgomery / TT News AgencyPessoas caminhando na Suécia em meio à propagação do coronavírus
Pessoas caminhando na Suécia em meio à propagação do coronavírus - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um grupo de cientistas do país apelou a medidas de contenção urgentes por parte do governo sueco, afirmando que mesmo que não sejam tomadas agora, seria necessário impô-las depois.

Um grupo de 22 cientistas suecos escreveu uma carta aberta exigindo "ação rápida e radical" ao governo do país para começar a conter a continuação da propagação do surto do coronavírus no país. Anteriormente, um grupo de mais de 2.300 pesquisadores locais pediu o mesmo.

Os 22 cientistas apelam ao governo para fechar imediatamente escolas e restaurantes, fazer testes em massa dos profissionais de saúde e forçar quarentenas entre as famílias em caso de uma infecção confirmada.

O governo da Suécia optou, em vez disso, por colocar sua fé no distanciamento social e no autoisolamento voluntário da população.

"Eles não estão inclinados a mudar suas recomendações, mesmo quando as curvas da Suécia começam a diferir radicalmente das dos países vizinhos", dizem os pesquisadores em referência aos números mais baixos de infecções em países como a Dinamarca, Noruega e Finlândia.

A Dinamarca, o país mais afetado entre os três e que, tal como a Noruega e a Finlândia, impôs uma estratégia muito mais restritiva, tem 6.876 casos e 309 mortes, em comparação com a Suécia, que registra 11.927 infecções e 1.203 vítimas.

De acordo com o grupo, a Agência de Saúde Pública da Suécia afirmou por pelo menos quatro vezes que a taxa de infecção do país tinha atingido seu pico antes de os números aumentarem ainda mais.

"Se não tomarmos medidas poderosas agora, teremos de fazê-lo mais tarde", advertiu Jan Lotvall, professor de alergias clínicas da Universidade de Gotemburgo.

Resposta à carta

No entanto, o homem por trás da estratégia do governo, o epidemiologista estatal Anders Tegnell, não compartilha esse ponto de vista.

"Eu não entendo o que eles querem dizer", disse. "O sistema de saúde esteve sempre sob controle. Se você olhar para a curva, temos tido consistentemente cerca de 60 mortos por dia. Tivemos um desenvolvimento infeliz no cuidado aos idosos e começamos a trabalhar muito nisso."

Tegnell apontou para a falha do isolamento em Nova York, que tem dez vezes o número de mortos da Suécia, apesar de ter uma população semelhante ao país. Segundo o epidemiologista, a diferença de contagem das mortes pelos países confunde muito, optando por proteger a economia sueca em vez de adotar medidas precipitadas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала