Estudantes confinados na França experimentam a solidão de viagens espaciais

© Sputnik / StringerNave espacial tripulada "Soyuz TMA-17M" após a aterrizagem
Nave espacial tripulada Soyuz TMA-17M após a aterrizagem - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Enclausurados em seus quartos em Toulouse para escapar do coronavírus, sessenta estudantes servem como cobaias em um estudo para medir o impacto do confinamento em astronautas diante de missões de longo prazo, escreve a Reuters.

Isolados em quartos de 12 metros quadrados, os participantes desse experimento do Instituto Francês Superior de Aeronáutica e Espaço (Isae-Supaero) preenchem escrupulosamente questionários online e são submetidos a uma bateria de testes de reação, memória e reconhecimento visual para medir seu estado fisiológico e psicológico.

"Essas tarefas simulam operações críticas que os astronautas devem executar. Isso envolve, por exemplo, controlar o movimento de um objeto na tela enquanto executa uma tarefa auxiliar, como memorizar um número em uma sequência", explica Tom Lawson, 22 anos, estudante do primeiro ano do mestrado em engenharia aeronáutica, citado pela agência.

Em suas raras saídas, comparadas aos passeios dos cosmonautas no espaço, os estudantes são obrigados a computar sua duração, o número de passos dados e também as interações sociais ocorridas no caminho.

Ainda de acordo com a Reuters, ao final desse experimento, as tarefas realizadas por esses estudantes voluntários, juntamente com os testes de personalidade, ajudarão a determinar quais tipos de perfis são os mais adequados para resistir ao confinamento a longo prazo aos quais os astronautas podem ser submetidos.

"Dessa forma, poderemos emitir recomendações para a seleção e o treinamento de tripulações", explica Stéphanie Lizy-Destrez, professora-pesquisadora da Isae-Supaero, especialista em questões de isolamento durante voos tripulados.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала