Alunos chineses voltam para casa e deixam universidades ocidentais com 'rombos bilionários'

© REUTERS / Thomas PeterEstudante usando máscara protetora posa para foto perto do Aeroporto Internacional de Pequim, na China, 13 de março de 2020
Estudante usando máscara protetora posa para foto perto do Aeroporto Internacional de Pequim, na China, 13 de março de 2020   - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Após sofrerem preconceito e alarmados com a resposta branda à COVID-19 nos EUA, Reino Unido e Austrália, estudantes chineses abandonam universidades nestes países e voltam para casa. Sem esses alunos, as universidades podem ficar com rombos bilionários em seus orçamentos.

Universidades dos EUA, Reino Unido e Austrália são "dependentes" financeiramente dos pagamentos realizados por alunos chineses. A crise do coronavírus pode acabar com esse modelo de negócios.

Estudantes chineses de universidades ocidentais enfrentaram preconceito no início deste ano, em função da propagação do novo coronavírus na província de Hubei, na China, conforme reportou o The New York Times.

Agora, muitos estudantes chineses estão alarmados com a resposta lenta de alguns governos ocidentais frente à pandemia de COVID-19.

"As pessoas não entenderam o quão séria é essa crise", disse Jiani Zhou, estudante universitário no Reino Unido. "Na China, foi adotada uma série de medidas de controle. Aqui, por enquanto, nada."

A inquietação dos estudantes chineses quanto à demora na resposta das universidades britânicas à propagação do vírus pode gerar sérias consequências financeiras para essas instituições de ensino.

Muitas universidades de países de expressão inglesa dependem financeiramente dos alunos chineses, que pagam taxas de matrícula e mensalidades "exorbitantes", principalmente nos EUA, Reino Unido e Austrália.

© REUTERS / Sringer Estudante chinês que voltou para casa de universidade estrangeira enfrenta quarentena em quarto de hotel, em Taiyuan, província de Shanxi, na China, 17 de março de 2020
Alunos chineses voltam para casa e deixam universidades ocidentais com 'rombos bilionários' - Sputnik Brasil
Estudante chinês que voltou para casa de universidade estrangeira enfrenta quarentena em quarto de hotel, em Taiyuan, província de Shanxi, na China, 17 de março de 2020

Com exames de admissão adiados, a imposição de restrições de viagens e a desconfiança dos pais dos alunos quanto à saúde dos seus filhos, novas matrículas de alunos chineses devem cair nos próximos anos, apontam especialistas.

Sem alunos chineses, essas universidades devem ficar com rombos bilionários em seus orçamentos, informou o jornal norte-americano.

"Em um período relativamente curto, ficamos praticamente viciados em uma única fonte de recursos", disse o professor de Estudos Chineses do King's College de Londres, Kerry Brown.

Analistas já estudam a possibilidade de as universidades solicitarem ajuda aos governos, caso os estudantes chineses realmente optem por ficar em casa.

"Se o pior acontecer e os estudantes chineses não quiserem voltar em setembro, será uma mudança sísmica", disse, referindo-se ao mês no qual o ano letivo tem início no hemisfério norte.

No Reino Unido, estudantes chineses reportaram indignação com a demora das universidades em fornecer aulas on-line ou cancelar eventos, como bailes da primavera. Alguns hesitam em usar máscaras protetoras, com medo de sofrerem preconceito ou serem atacados, como o foi recentemente um aluno oriundo de Singapura, em Londres.

Esses acontecimentos teriam deteriorado a reputação das universidades ocidentais na China, acreditam analistas. As universidades nos EUA já enfrentavam menor boa vontade das famílias chinesas em função da guerra comercial, assim como as do Reino Unido, dada a possibilidade de cortes no financiamento de pesquisa científica devido ao Brexit.

© REUTERS / Thomas PeterJovens usando máscaras protetoras caminham pelas ruas de Pequim, na China, 11 de março de 2020
Alunos chineses voltam para casa e deixam universidades ocidentais com 'rombos bilionários' - Sputnik Brasil
Jovens usando máscaras protetoras caminham pelas ruas de Pequim, na China, 11 de março de 2020

Após anos de dificuldades com o seu sistema de ensino superior, a China avançou nos últimos anos, o que leva alguns estudantes a optarem por estudar no seu país natal. Administradores universitários britânicos acreditam que essas melhorias, associadas ao sucesso no combate à COVID-19, podem diminuir a demanda por estudos no exterior.

Algumas universidades do Reino Unido estão oferecendo condições mais flexíveis para alunos chineses, como extensão de vistos e possibilidade de iniciar os estudos presenciais somente em janeiro. Mas, após sofrerem preconceito e temerem pela sua saúde, muitos estudantes chineses podem não voltar mais.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала