'Poderiam mudar a balança no mar do Sul da China': National Interest avalia submarinos russos

© Sputnik / Aleksei DanichevCerimônia solene do lançamento à água em São Petersburgo do submarino diesel-elétrico Volkhov, do projeto 636.3, Varshavyanka, para a Frota do Pacífico, 26 de dezembro de 2019
Cerimônia solene do lançamento à água em São Petersburgo do submarino diesel-elétrico Volkhov, do projeto 636.3, Varshavyanka, para a Frota do Pacífico, 26 de dezembro de 2019 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Em um artigo recém-publicado, a revista norte-americana National Interest avaliou muito positivamente as características dos submarinos russos modernizados do projeto 877, destacando suas vantagens perante submarinos norte-americanos.

O autor do artigo, o especialista na área da defesa Caleb Larson, sublinha as vantagens técnicas dos submarinos russos do projeto 877 (classe Kilo, na classificação na OTAN), tanto os originais como os modernizados. Larson destaca que estes submarinos, denominados nos EUA como "Buracos Negros", podem mudar a balança de forças no mar do Sul da China a favor de Pequim.

Pequenos, mas poderosos

Submarinos do projeto 877 são pequenos e compactos, destinados a atividades em águas costeiras, menos profundas, então sua profundidade de emersão máxima é de cerca de 300 metros. Eles são equipados com armas antinavio e antissubmarino, entre elas mísseis Kalibr, "ideais para um conflito local", nota Larson.

Segundo sublinha o autor, ao contrário da linha de desenvolvimento de submarinos norte-americanos, que são nucleares, estes submarinos russos são diesel-elétricos e são "muito, muito silenciosos". É mesmo por isso que foram denominados pela Marinha norte-americana de "Buracos Negros".

Primeiros submarinos da classe Kilo foram produzidos na União Soviética e o primeiro navio entrou em serviço em 1980. A versão modernizada (projeto 636.3) é um pouco mais longa, com um deslocamento de 4.000 toneladas.

As tecnologias de redução de ruído, os motores e equipamento militar também foram aperfeiçoados, nota o autor.

Balanço no mar do Sul da China

Ambos os submarinos desta classe, o original e o modernizado, já têm sucesso na área de exportação para vários países. Entre eles estão o Vietnã e a China, países que têm interesses no mar do Sul da China.

Como sublinha o autor do artigo, em caso de conflito nessa região, os EUA ficam colocados em desvantagem com sua preferência por submarinos nucleares, maiores e com menor capacidade de manobra.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала