Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Mundo está tomando rumo da 'autodestruição', adverte economista

CC0 / Pixaby / Armagedom, imagem referencial
Armagedom, imagem referencial - Sputnik Brasil
Nos siga no
O discurso predominante na sociedade capitalista está levando o mundo à "autodestruição" por impor um modelo de consumo de energia dependente de recursos naturais fósseis não renováveis, tais como petróleo, afirma o professor emérito David Barkin.

O especialista em Economia Ecológica e Solidária, David Barkin, acredita que estamos tomando o rumo da autodestruição.

"A minha previsão em relação à situação atual do mundo é que neste momento estamos seguindo rumo da autodestruição. O discurso dominante assegura que através das boas intenções das corporações, fazendo melhores práticas, o desastre climático e a destruição da biodiversidade podem ser evitados", acredita o pesquisador, que é doutor pela Universidade Yale, EUA, e vencedor do Prêmio Nacional de Economia de 1979 por análise da inflação.

Barkin discursou no Colóquio Internacional sobre "como surgem as novas ordens no Universo", mais especificamente na arte, na história e na economia. Para Barkin, "este discurso é uma ilusão que acarretaria o empobrecimento do mundo de uma forma cruel, de uma destruição segmentada do tecido social em quase todos os países do mundo".

Além disso, Barkin afirmou ser "evidente que a primeira medida viável é abandonar a utilização dos produtos energéticos mais poluentes, que são hidrocarbonetos fósseis", indagando a possibilidade de implementar o desuso de tais vias de energia.

Segundo o professor, deve-se criar "um modelo totalmente diferente da utilização de energia", que deve ser executado rapidamente para frear a proeminente autodestruição do mundo.

Diferentemente da abordagem dominante, Barkin opina que "a sociedade capitalista é incapaz de evitar danos ecológicos" e que nos dias de hoje "a prova está nos dez milhões de hectares perdidos nos incêndios na Austrália".

O professor cita como exemplo os aborígenes australianos que conhecem outras técnicas para evitar danos florestais.

Estas culturas ancestrais "desenvolveram sistemas extraordinários e diferentes durante muitas gerações, para proteger as florestas e seus recursos naturais, parecidos com as técnicas aplicadas por índios no Canadá, no México e na Amazônia".

O conhecimento ancestral dos índios está na "gestão coletiva e comunitária" de sociedades que procuram se afastar da órbita do mercado mundial, longe dos processos agroindustriais que contribuem para o consumo extrapolado de energia, característico do capitalismo, concluiu Barkin.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала