Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Governo brasileiro publica nova tabela do frete rodoviário com reajuste entre 11% e 15%

© Folhapress / Adriano VizoniMovimentação na rodovia Régis Bittencourt, em São Paulo, durante greve dos caminhoneiros em 2018
Movimentação na rodovia Régis Bittencourt, em São Paulo, durante greve dos caminhoneiros em 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Reivindicação dos caminhoneiros, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou nesta quinta-feira (16) nova tabela do frete rodoviário com reajuste que varia de 11% a 15%. 

Uma versão anterior, apresentada pelo governo no ano passado, não agradou a categoria, que ameaçou fazer uma paralisação. 

O valor vai depender do tipo de carga e operação. A tabela foi criada em 2018 durante o governo do então presidente Michel Temer, após greve dos caminhoneiros. 

Na ocasião, estradas foram bloqueadas e houve uma crise de abastecimento no país. O então deputado federal Jair Bolsonaro apoiou o movimento dos caminhoneiros. 

Empresas e entidades do agronegócio são contra tabela

Entidades do agronegócio e empresas são contra a tabela, por achar que viola a livre concorrência. A norma terá constitucionalidade analisada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). 

O julgamento, marcado inicialmente para setembro de 2019, deve ocorrer em fevereiro deste ano. 

Além disso, a agência estabeleceu uma série de regras, que entram em vigor a partir de 20 de janeiro. A ANTT incluiu no cálculo do frete mínimo o custo da diária do caminhoneiro, como refeições e hospedagem. A tabela também corrige valores de itens como pneu e manutenção.

Outra mudança é que passará a ser obrigatório o pagamento de frete de retorno quando o caminhoneiro é proibido de trazer carga na volta ao local de embarque. No caso dos caminhões de combustível, por exemplo, o motorista não pode voltar transportando outro tipo de carga. 

Outro ponto que causa insatisfação entre os caminhoneiros é o preço do diesel, que vem aumentando desde que a Petrobras decidiu repassar para o produto as altas do petróleo no mercado internacional. 

Em dezembro do ano passado, motoristas chegaram a realizar uma greve para protestar contra o valor cobrado pelo combustível, mas a adesão foi abaixo da esperada.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала