Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Quais são as perspectivas de crescimento do arsenal nuclear da China?

© AP Photo / Ng Han GuanVeículos militares chineses transportando o míssil balístico DF-17 durante o desfile militar em homenagem aos 70 anos da criação da República Popular da China
Veículos militares chineses transportando o míssil balístico DF-17 durante o desfile militar em homenagem aos 70 anos da criação da República Popular da China - Sputnik Brasil
Nos siga no
É provável que a China desenvolva e atualize seu arsenal nuclear nos próximos anos, mas a esperança de Pequim se juntar às negociações sobre controle de armas permanece, opina analista norte-americano.

De acordo com estimativas militares, a China tem cerca de 290 cargas nucleares. Embora este número seja muito menor que o da Rússia e dos EUA, a China continua a se modernizar e a desenvolver seu arsenal nuclear, estabelecido desde 1955.

Na opinião do especialista Richard Weitz, diretor do Centro de Análises Político-Militares do Instituto Hudson (EUA), o desfile militar de 1º de outubro de 2019, dedicado ao 70º aniversário da fundação da República Popular da China, confirmou que, nos próximos anos, Pequim deverá implantar mais armas nucleares e um "portfólio" de projéteis mais diversificados, como os mísseis balísticos intercontinentais Dong Feng (DF)-31AG e DF-41.

"Alguns esperam que o arsenal nuclear da China continue a melhorar quantitativa e qualitativamente, aproximando-se do da Rússia e dos EUA. De acordo com as estimativas deles, Pequim só considerará a possibilidade de negociar limitações estratégicas quando sua capacidade nuclear for semelhante à da Rússia e dos EUA. Mas, mesmo assim, é provável que Pequim insista que qualquer acordo se aplique tanto às forças nucleares quanto às convencionais de todas as grandes potências militares asiáticas", disse o analista.

Desenvolvimento de novas tecnologias

Para Weitz, se Pequim não limitar a sua acumulação de potenciais através do controle formal de armas ou outras medidas, os EUA e a Rússia "resistirão às limitações obrigatórias das suas próprias capacidades ofensivas e defensivas de mísseis".

"O renascimento da rivalidade entre grandes potências, o desenvolvimento de novas tecnologias militares estratégicas e outros desenvolvimentos requerem uma possível transição para uma nova abordagem", ressalta.

© AP Photo / Ng Han GuanMíssil balístico Dong Feng 21
Quais são as perspectivas de crescimento do arsenal nuclear da China? - Sputnik Brasil
Míssil balístico Dong Feng 21

"Pequim mudou sua política sobre outras questões militares importantes, como a aquisição de porta-aviões ou bases estrangeiras, portanto mudar a posição da China nas negociações estratégicas sobre armas não é uma esperança inútil. Sem um maior apoio de Pequim, o controle estratégico de armas poderia morrer", acredita o especialista.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала