Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'Preocupação válida', diz analista sobre impacto de acordo entre China e EUA na soja brasileira

© Sputnik / Igor Ageenko / Abrir o banco de imagensColheita da soja (imagem referencial)
Colheita da soja (imagem referencial) - Sputnik Brasil
Nos siga no
Com a assinatura do acordo comercial entre China e Estados Unidos, a soja brasileira deve perder espaço no país asiático que foi o principal destino do grão brasileiro em 2019.

Segundo o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a primeira fase do acordo entre as duas maiores economias do mundo deverá implicar na compra de US$ 40 bilhões a US$ 50 bilhões a mais de produtos agrícolas estadunidenses pelos chineses. A expectativa é que o trato seja assinado na próxima semana.

O possível impacto já foi admitido pelas autoridades brasileiras. "Nós ganhamos nesses anos e acabamos tendo espaço maior no mercado, mas isso pode mudar um pouco", disse o secretário substituto de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Wilson Vaz Araújo, em entrevista à agência de notícias Reuters. "Mas acredito que Brasil tem condição de reagir e exportar para outros mercados".

A China foi o destino de 78% de toda a soja exportada pelo Brasil entre janeiro e novembro de 2019, segundo dados do Ministério da Economia. No período, Pequim comprou US$ 19,59 bilhões de soja brasileira

"A preocupação do Ministério da Agricultura é válida", diz Marcos Fava Neves, professor de Estratégia e Agronegócio da USP, em entrevista à Sputnik Brasil.

Neves, contudo, acredita que a produção brasileira poderá encontrar outros compradores em outros mercados, mas haverá uma desaceleração com um impacto difícil de prever. "Isso não é imediato [encontrar novos mercados], portanto sim, um acordo representa, em um primeiro momento, desaceleração, vamos dizer assim, não perda, uma desaceleração que pode ser recuperada mais adiante para o Brasil, difícil estimar quanto isso representaria."

Um caminho para garantir mercados, avalia o professor da USP, é o Brasil ficar de fora da atual disputa entre Estados Unidos e Irã:

"Não podemos esquecer que o Oriente Médio e o Irã são compradores importantes do agronegócio brasileiro. Quanto mais o Brasil ficar de fora dessa confusão, melhor será."
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала