Cinco pessoas são condenadas à morte pelo assassinato de Khashoggi, diz promotor saudita

© AP Photo / Jacquelyn MartinPessoas seguram cartazes durante protesto na Embaixada da Arábia Saudita sobre o desaparecimento do jornalista saudita Jamal Khashoggi
Pessoas seguram cartazes durante protesto na Embaixada da Arábia Saudita sobre o desaparecimento do jornalista saudita Jamal Khashoggi - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
De acordo com o promotor público da Arábia Saudita, o tribunal condenou cinco pessoas à morte na sequência do caso do assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

O promotor saudita continuou dizendo que outras três pessoas foram sentenciadas a penas de 24 anos de prisão. Também foi declarado que o consultor saudita Saud al-Qahtani foi investigado, mas não foi acusado, tendo sido libertado.

"A investigação do assassinato do cidadão [saudita] Jamal Khashoggi foi concluída. Cinco acusados foram condenados à pena capital, e outros três a 24 anos de prisão. A acusação estabeleceu que o assassinato foi cometido sem qualquer intenção preliminar", disse o porta-voz da acusação, Shaalan al-Shaalan, em uma declaração divulgada pelo jornal saudita Sabq.

Segundo o promotor, o ex-chefe adjunto dos serviços secretos, Ahmed al-Asiri, também foi liberado devido à insuficiência de provas.

"As sentenças proferidas contra os acusados não são definitivas, 11 pessoas haviam sido acusadas e a acusação criminal contra elas foi apresentada ao Tribunal Penal de Riad", complementou.

O jornalista Jamal Khashoggi, um crítico do governo saudita, desapareceu em outubro de 2018 após entrar no consulado saudita em Istambul, na Turquia.

Riad inicialmente negou qualquer conhecimento do paradeiro do jornalista, mas acabou admitindo que Khashoggi tinha sido morto e desmembrado no interior da embaixada.

Responsabilidade pelo crime

As autoridades sauditas acusaram 11 pessoas do assassinato do jornalista saudita, mas negaram repetidamente as alegações de que membros da família real tivessem estado envolvidos no incidente.

O príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman negou as alegações de ter ordenado o assassinato de Khashoggi, mas disse assumir total responsabilidade pelo crime, já que foi cometido por pessoas que trabalhavam para o governo saudita.

Khashoggi, colunista do The Washington Post e crítico das políticas de Riad, desapareceu em outubro de 2018 depois de entrar no consulado saudita em Istambul.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала