Empresa é multada por vender armas defeituosas ao Exército dos EUA

Nos siga noTelegram
Lança-granadas defeituosos estão na base de litígio civil resolvido entre a Capco e a Procuradoria-Geral dos EUA.

A fabricante de armas Capco pagará mais de US$ 1 milhão (R$ 4,2 milhões) ao Exército dos EUA por vender lançadores de granadas defeituosos, segundo o The Denver Post. Promotores federais alegam que a empresa estava ciente de que as peças não cumpriam os padrões exigidos.

O engenheiro James Cole teria alertado ao vice-presidente e a gerente da Capco sobre as peças defeituosas em abril de 2017, mas não só foi ignorado, como demitido cinco meses mais tarde. Três dias depois, foi substituído.

​CAPCO deverá pagar US$ 1 milhão por vender lança-granadas subavaliados ao Exército 

Em novembro de 2017, Cole apresentou queixa baseado na Lei de Falsas Alegações (False Claims Act em inglês), na qual afirmou que sua demissão foi uma retaliação pelas denúncias. Nesta terça-feira (3), o procurador norte-americano Jason Dunn anunciou o veredicto do processo, que já dura dois anos.

Segundo o acordo feito com a Capco, a empresa substituiu o aço de alta qualidade usado em uma peça-chave da arma por um aço mais barato e menos durável, o que afetou o funcionamento dos lançadores de granadas.

A empresa teria enviado os lançadores de granadas ao Exército, mesmo ciente de que usara material inadequado. Supervisor haveria solicitado aos engenheiros do controle de qualidade da empresa que mantivessem segredo em relação ao  substituto, de acordo com a Procuradoria-Geral dos EUA.

Reações ao caso

O procurador-geral dos EUA manifestou esperança de que futuros problemas sejam resolvidos.

"Confiamos nos nossos empreiteiros de defesa para fabricar equipamentos da mais alta qualidade para os homens e mulheres que servem o nosso país nas Forças Armadas dos EUA", disse Dunn em um comunicado.

"Qualquer falha no processo de produção deve ser abordada rápida e honestamente, e nós responsabilizaremos os contratantes inteiramente por encobrirem problemas na produção de forma fraudulenta."

Uma porta-voz da empresa disse que a Capco não admitiu em seu acordo as alegações do processo, e que a empresa cooperou plenamente com a investigação.

"Cada desafio nos dá escolhas sobre como reagir", comentou o CEO da Capco, Cordell Bennigson, em uma declaração. "Nossa equipe escolheu abordar esta demanda de uma forma que engloba os valores que abraçamos – transparência, confiança, compromisso e extrema confiabilidade."

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала