Presidente interina da Bolívia revoga decreto que isenta militares de responsabilidade penal

© REUTERS / Manuel ClaurePresidente interina da Bolívia comparece a cerimônia em La Paz sob forte esquema de segurança, em 18 de novembro de 2019
Presidente interina da Bolívia comparece a cerimônia em La Paz sob forte esquema de segurança, em 18 de novembro de 2019 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, revogou o decreto que isentava de responsabilidade criminal os militares trabalhando nos protestos que o país enfrenta.

Ao longo de mais de um mês de manifestações, 33 pessoas morreram. 

Áñez disse que tomou a decisão depois de considerar que a "pacificação" do país foi alcançada após diferentes forças políticas concordaram em avançar em um plano para convocar novas eleições presidenciais.

O decreto foi publicado em 16 de novembro, em um dos momentos mais violentos dos protestos. Um dia antes, oito plantadores de coca e defensores do ex-presidente Evo Morales haviam sido mortos na cidade de Sacaba, informa a agência de notícias Associated Press.

O decreto foi criticado dentro e fora da Bolívia e considerado um estímulo à violência. 

"Nosso governo teve que recorrer a uma medida dessas características porque enfrentou ações violentas que nunca vivemos em nossa história e que não queremos viver novamente", disse a presidente interina. 

Áñez também agradeceu a participação das Forças Armadas: "Por causa de sua participação determinada e oportuna, que evitou atitudes de vandalismo e confronto", disse em referência ao dia 20 de novembro, quando um confronto entre manifestantes que fechavam o acesso a uma refinaria e militares terminou com nove manifestantes mortos. O incidente ocorreu na cidade de El Alto. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала