Europa deve buscar sua soberania militar, opina analista holandesa

© AP Photo / Hassan AmmarPorta-aviões norte-americano Abraham Lincoln ao lado de caças F-18 durante exercícios no golfo Pérsico
Porta-aviões norte-americano Abraham Lincoln ao lado de caças F-18 durante exercícios no golfo Pérsico - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um navio holandês partirá em janeiro de 2020 ao estreito de Ormuz para participar de uma missão naval de seis meses liderada por Paris. A França busca criar uma coalizão marítima europeia diferente daquela conduzida pelos Estados Unidos. Uma analista militar holandesa comenta a situação em entrevista à Sputnik França.

Torna-se evidente aos olhos da Europa que os Estados Unidos tentam preservar seus interesses nacionais em detrimentos dos de seus aliados, declarou à Sputnik França Anneke de Laaf, analista militar independente dos Países Baixos, quanto à decisão de seu país de participar da missão naval europeia para garantir a segurança do estreito de Ormuz.

© AFP 2022 / Ebrahim Noroozi / JamejamonlineNavio iraniano lança míssil no estreito de Ormuz
Europa deve buscar sua soberania militar, opina analista holandesa - Sputnik Brasil
Navio iraniano lança míssil no estreito de Ormuz
"Após 75 anos de dominação norte-americana na Europa, alguns sonham em poder agir de novo de forma soberana. Após a crise econômica de 2008 e com a eleição de Donald Trump, os Estados Unidos não escondem mais sua política. Agora é evidente que Washington está servindo seus interesses nacionais em detrimento dos de seus aliados", opina de Laaf.

Ela até mesmo considera que é a Europa que mais sofre o impacto das sanções impostas pelos Estados Unidos contra a Rússia.

Sanções contra Moscou afetam sobretudo os europeus

"Atualmente, temos um conflito sobre o [gasoduto] Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2), conflito com o qual Washington está tentando salvar sua indústria de gás de xisto à custa do crescimento industrial europeu. […] A Europa deve finalmente decidir de forma independente como servir os seus próprios interesses, em vez de cumprir ordens de outros atores no cenário internacional", defende a analista.

Quanto à questão do impacto a longo termo que as ações independentes da Europa possam causar na Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), Anneke de Laaf responde:

"A Europa age sem os Estados Unidos? Não acredito que seja o caso. Por enquanto não. Ninguém propõe anular sua participação na OTAN. Espera-se que Macron se encontre de fato com Stoltenberg na próxima semana. Porém, não acho que presidente francês dirá a Stoltenberg que a OTAN deverá se manter o mais longe possível da França no estreito. Eles coordenaram suas ações. Isso significa que nada será feito sem consultar Washington".

Os Países Baixos decidiram se juntar à França após o Qatar e Kuwait terem anunciado que participam da missão naval liderada pelos Estados Unidos.

© Foto / Domínio Público / Marinha dos EUAFragata da Marinha holandesa HNLMS De Ruyter e destróier USS Carney dos EUA durante manobras Joint Warrior (foto de arquivo)
Europa deve buscar sua soberania militar, opina analista holandesa - Sputnik Brasil
Fragata da Marinha holandesa HNLMS De Ruyter e destróier USS Carney dos EUA durante manobras Joint Warrior (foto de arquivo)

Uma missão europeia em 2020

Em 24 de novembro, a ministra francesa da Defesa, Florence Parly, declarou que a operação poderá ser lançada no início de 2020 e que uma dezena de governos europeus e não-europeus deveriam participar e que estão só à espera das autorizações de seus parlamentos.

Segundo de Laaf, o comando europeu para a vigilância marítima do golfo Pérsico será instalado na base naval francesa de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

Em julho, a imprensa informou que a França, Itália e Dinamarca concordaram com uma proposta britânica visando criar uma missão naval europeia para garantir a segurança dos navios que cruzam o estreito de Ormuz. O Irã avaliou esta iniciativa como "mensagem hostil".

Em agosto, o Governo alemão indicou que Berlim poderia também participar desta missão. O chefe da diplomacia alemã, Heiko Maas, reiterou que a Alemanha não participará de uma operação liderada pelo país norte-americano.

Crise da indústria petroleira no estreito de Ormuz

Os Estados Unidos e a União Europeia anunciaram o envio de navios ao golfo Pérsico como consequência de uma série de ataques contra petroleiros no começo do ano. Várias embarcações do Japão, Noruega, Emirados Árabes e Arábia Saudita foram atacadas em diversos incidentes em maio e junho deste ano.

Em 23 de julho, os Guardiões da Revolução do Irã interceptaram o petroleiro britânico Stena Impero no estreito de Ormuz "por violar as regras internacionais". O Reino Unido havia anteriormente detido uma embarcação iraniana acusada de transportar ilegalmente petróleo à Síria.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала