Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Pressão e incertezas: como alta do dólar pode influenciar brasileiros e Plano Real?

© AFP 2021 / VANDERLEI ALMEIDAReal brasileiro e dólar norte-americano
Real brasileiro e dólar norte-americano - Sputnik Brasil
Nos siga no
Nesta semana, o dólar atingiu a cotação nominal mais alta de sua história desde a criação do Plano Real, sendo cotado a R$ 4,206, uma alta de 0,29%.

A Sputnik explica os fatores contribuintes para a alta da moeda norte-americana e suas consequências para o Plano Real e a população brasileira.

Motivos que contribuíram para recorde do dólar frente ao real

A escalada da moeda norte-americana ocorre em meio à guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, bem como ao relativo fracasso do leilão de áreas de cessão onerosa de petróleo devido à ausência das petroleiras estrangeiras.

Outro fator que contribui para o avanço do dólar é o lento crescimento econômico brasileiro, além do desemprego que atinge o país e do baixo interesse do investidor externo na economia do país.

© Sputnik / Aleksei SukhorukovCédulas de dólar norte-americano
Pressão e incertezas: como alta do dólar pode influenciar brasileiros e Plano Real? - Sputnik Brasil
Cédulas de dólar norte-americano

Há também o fator da sazonalidade, já que nesta época do ano há um aumento da procura pela moeda norte-americana internamente, por parte de empresas e fundos, que costumam enviar remessas ao exterior.

Ou seja, a demora para que os EUA e a China fechem a primeira fase do acordo comercial, a instabilidade política e econômica na América do Sul e a remessa de lucros de empresas instaladas no Brasil para suas matrizes contribuíram para a maior cotação nominal da moeda norte-americana, que no ano acumula uma valorização de 8,56% frente ao real.

Índice de inflação

Em meio à queda do real, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, acredita que a desvalorização da moeda brasileira não esteja apresentando qualquer impacto sobre a inflação.

"Não houve piora nas expectativas de inflação, que é o que nos importa [...]", afirmou Campos Neto, além disso, ele garantiu que a movimentação cambial é devida à substituição por parte das empresas de dívidas externas por dívidas internas.

Campos Neto também destacou que a inflação no Brasil está baixa e estável, e que o fator relevante para o processo de virada econômica brasileira é a queda da taxa longa de juros.

© Rafael Neddermeyer/Fotos PúblicasMesmo com índices de inflação em baixa, consumidor continua retraído
Pressão e incertezas: como alta do dólar pode influenciar brasileiros e Plano Real? - Sputnik Brasil
Mesmo com índices de inflação em baixa, consumidor continua retraído
"É importante ter a taxa curta ancorada, mas também taxa longa em níveis baixos. Uma taxa longa menor ajuda o financiamento de infraestrutura. Grande parte da economia roda na Selic, mas projetos importantes giram em taxas maiores", explicou ele durante a participação em audiência pública na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado (CAE).

De acordo com Campos Neto, o Brasil está crescendo com menos dinheiro público e maior possibilidade de financiamento pelo setor privado.

Intervenção cambial e deboche de Bolsonaro

Ao ser questionado sobre a alta do dólar e o impacto que isso poderia causar na inflação, o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, manteve sua "mente debochada" e sugeriu aos repórteres que falassem com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

"Dólar subiu? Conversa... Quer o telefone do Roberto Campos?", disse Bolsonaro na entrada do Palácio da Alvorada.

Por sua vez, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto afirmou que não pretende realizar qualquer intervenção pelo fato de que o país não estaria na chamada "zona de intervenção", entretanto ressaltou que o BC poderá agir de outra maneira caso a alta do dólar tenha impacto na inflação.

Consequências para os brasileiros e Plano Real

As consequências da alta do dólar para os brasileiros poderão ser sentidas no bolso daqueles que pretendam viajar, já que o câmbio da moeda norte-americana segue em alta, tornando a compra da moeda mais cara, bem como passagens aéreas, que também são cotadas em dólar.

Além do turismo, a alta do dólar também poderá elevar os preços dos produtos importados, que na maioria das vezes são negociados em dólar, ou seja, pode elevar a inflação no país.

© Sputnik / Aleksei Sukhorukov / Abrir o banco de imagensDólar norte-americano
Pressão e incertezas: como alta do dólar pode influenciar brasileiros e Plano Real? - Sputnik Brasil
Dólar norte-americano

Entretanto, essa inflação não atingirá apenas produtos importados como também os produtos nacionais, já que as empresas brasileiras podem elevar os preços no mercado interno para compensar o valor de venda para o mercado externo, mantendo o valor das negociações em dólar para compradores internacionais.

O Plano Real seria desvalorizado. Entretanto, esse fator poderia contribuir para a melhoria da vida dos brasileiros, já que os turistas estrangeiros passariam a injetar um valor maior na economia do Brasil. Porém, caso haja o aumento da inflação, o poder aquisitivo seria reduzido, bem como o consumo da população brasileira.

Perspectiva do dólar para 2020

De acordo com o Relatório Focus do Banco Central, há uma projeção de que a moeda norte-americana tenha um valor de R$ 4,00 para 2020.

CC BY 2.0 / Rafael Matsunaga/ / Painel de cotações da Bovespa (arquivo)
Pressão e incertezas: como alta do dólar pode influenciar brasileiros e Plano Real? - Sputnik Brasil
Painel de cotações da Bovespa (arquivo)

Entretanto há divergências, e os analistas Shahab Jalinoos, Alvise Marino, Günter Grimm, Daniel Chodos e Nimrod Mevorach do Credit Suisse acreditam na "proliferação" das estruturas de opções com barreiras acima de R$ 4,20, que rompidas poderiam provocar a aceleração da alta do dólar, conforme o portal InfoMoney.

"A natureza assimétrica de riscos direcionais sobre expectativas de intervenção, combinada com a extensão da decepção com o leilão de petróleo, nos deixa receosos sobre tentar minimizar a força do dólar a partir dos níveis atuais", explicaram os especialistas em relatório.

Apesar da expectativa, o valor da moeda norte-americana dependerá tanto do cenário econômico e político brasileiro, quanto do cenário político dos países vizinhos. Isso porque a imagem dos outros países pode interferir e prejudicar a imagem latino-americana gerando desconfiança do mercado, além de afastar investidores.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала