Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

EUA mudam posição histórica e afirmam que colônias de Israel não são ilegais

© AP Photo / Jens MeyerMIke Pompeo responde às declarações do presidente francês Emmanuel Macron sobre 'morte cerebral' da OTAN, em conferência de imprensa na Alemanha, em 7 de novembro de 2019
MIke Pompeo responde às declarações do presidente francês Emmanuel Macron sobre 'morte cerebral' da OTAN, em conferência de imprensa na Alemanha, em 7 de novembro de 2019 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Os Estados Unidos afirmaram nesta segunda-feira (18) que não consideram mais os assentamentos de Israel na Cisjordânia ocupada uma quebra do direito internacional.

A mudança foi anunciada pelo secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que afirmou em coletiva de imprensa que os assentamentos não são "por si só, inconsistentes com o direito internacional".

O chefe da diplomacia de Washington criticou um parecer de 1978 do Departamento de Estado que classificou os assentamentos como ilegais. É a mais recente das medidas do governo Trump para reforçar o domínio de Israel sobre a Cisjordânia e Jerusalém Oriental, territórios reivindicados pelos palestinos para estabelecer seu próprio Estado.

Cerca de 600 mil israelenses vivem em assentamentos em territórios ocupados da Palestina. 

"Chamar o estabelecimento de assentamentos civis inconsistentes com o direito internacional não funcionou, não avançou a causa da paz", disse Pompeo. "A dura verdade é que nunca haverá uma resolução judicial para o conflito, e argumentos sobre quem está certo e quem está errado por uma questão de direito internacional não trará paz''.

Pompeo disse que a decisão dos EUA não deve ser usada como precedente para nenhuma outra parte do mundo ou interpretada como uma tentativa de prejudicar o status final da Cisjordânia.

"Não estamos tratando ou prejudicando o status final da Cisjordânia. Isso é para israelenses e palestinos negociarem", acrescentou.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, agradeceu à administração de Trump por "corrigir um erro histórico".

"A política reflete uma verdade histórica - o povo judeu não é colonialista estrangeiro na Judéia e Samaria [nome de Israel para a Cisjordânia]. Na verdade, somos chamados judeus porque somos o povo da Judéia", afirma Netanyahu.

Diferentemente de Israel e dos EUA, a comunidade internacional vê a presença e expansão de assentamentos judaicos na Cisjordânia ocupada e na anexada Jerusalém Oriental como uma medida ilegal e um dos principais obstáculos para a paz no Oriente Médio. 

A decisão de Washington foi alvo de críticas da Organização para a Libertação da Palestina (OLP). 

"A lei e o sistema internacional definem claramente a ilegalidade dos assentamentos israelenses, incluindo o Tribunal Internacional de Justiça, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) e o Comitê Internacional da Cruz Vermelha", disse Saeb Erekat, secretário-geral da OLP. 
Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала