Governo dos EUA quer coletar DNA de imigrantes e incluir informação em banco de dados criminal

© AP Photo / Eduardo VerdugoImigrantes mexicanos nos EUA
Imigrantes mexicanos nos EUA - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O governo dos EUA planeja expandir a coleta de DNA de imigrantes que cruzam a fronteira do país, assim como incluir a informação em um grande banco de dados criminal operado pelo FBI. 

A medida não teria relação com o teste rápido de DNA feito nas famílias que atravessam a fronteira dos Estados Unidos com o México, que visa detectar imigrantes se fazendo passar por pais de crianças. Ainda não há informações sobre os objetivos da nova coleta, nem se seriam feitas em crianças sozinhas e solicitantes de asilo. 

Dois altos funcionários do Departamento de Segurança, que falaram sob condição de anonimato, anteciparam a notícia nesta quarta-feira (2) para jornalistas, segundo publicou a agência AP. Os oficiais explicaram ainda que o Departamento de Justiça está elaborando novas regras e detalhes estão sendo discutidos em um grupo de trabalho.

Ainda não se sabe quando a nova medida seria aplicada. A coleta inicial começou a ser feita após um aumento do número de pessoas tentando cruzar a fronteira, principalmente famílias de países da América Central, como por exemplo Honduras e Guatemala. 

Segundo o governo, o número de imigrantes que tentam chegar aos EUA vem caindo recentemente, devido a operações de segurança, a mudanças na política de asilo e a acordos com nações centro-americanas. No entanto, funcionários de fronteiras demonstram preocupação com a falta de recursos e a possibilidade de potenciais criminosos entrarem no país. 

Medida levanta questões éticas

A prática da coleta de DNA permitiria ao governo reunir uma grande quantidade de dados biométricos sobre os imigrantes, levantando questões sobre privacidade e se essas informações devem ser usadas mesmo quando a pessoa não é suspeita de nenhum crime. 

O presidente dos EUA, Donald Trump, tem como uma das suas principais bandeiras o combate à imigração ilegal e a construção de um muro na fronteira com o México. 

"Não é uma surpresa, dado a fixação dessa administração em fazer vilões na fronteira, mas isso vai além disso", disse Vera Eidelman, advogada da União Americana pelas Liberdades Civis.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала