- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Marinha do Brasil destaca crescente cooperação com EUA às vésperas de exercício multinacional

© Sputnik / Renan LúcioColetiva de imprensa sobre a operação UNITAS
Coletiva de imprensa sobre a operação UNITAS - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As forças navais de Brasil e Estados Unidos mantêm um estreito laço de cooperação que vem se fortalecendo a cada dia, assim como ocorre com as demais Forças Armadas, declarou hoje o contra-almirante Luiz Roberto Cavalcanti Valicente, da Marinha do Brasil, em declarações à Sputnik Brasil.

Em coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira na Base Naval do Rio de Janeiro, na Ilha de Mocanguê, em Niterói, Valicente, que é comandante da 2ª Divisão da Esquadra, avaliou a importância do exercício marítimo multinacional UNITAS, destacando a intensa colaboração entre os militares brasileiros e norte-americanos. O oficial estará à frente do Grupo-Tarefa brasileiro na 60ª edição da operação, que ocorre de hoje até o próximo dia 30 na área marítima adjacente ao território fluminense.

​Em declarações à Sputnik Brasil, o militar afirmou que muito antes da designação do Brasil como aliado extra-OTAN dos Estados Unidos, os laços entre os dois países na esfera militar já vinham se fortalecendo, deixando uma expectativa positiva para os próximos anos.

"Nós temos incrementado a cada dia essa cooperação. Nós já tivemos, e ainda temos, navios, meios, aeronaves de origem americana, dos Estados Unidos. Por conta disso, nós temos treinamentos lá e cá, diversos oficiais nossos, da Marinha, fazem intercâmbios nos EUA, assim como o contrário também, ou seja, oficiais americanos que fazem treinamentos ou adestramentos e servem aqui na Marinha do Brasil. Então, essa cooperação e essa inter-relação das Marinhas vêm crescendo ao longo do tempo. Eu tenho certeza, posso garantir, que isso ocorre também com as outras Forças Armadas, Exército e Força Aérea", disse o contra-almirante. "Nós esperamos, a cada dia, que isso incremente mais. E não temos dúvidas de que vai incrementar", acrescentou, ao ser questionado sobre as consequências para a esfera militar do estreitamento dos laços entre Brasil e Estados Unidos no governo do presidente Jair Bolsonaro.

​Almirante Craig S. Faller, do SOUTHCOM, hoje, na abertura dos exercícios UNITAS LX no Brasil: "Essa é uma experiência profissional que fará cada um de vocês mais forte e melhor. É assim que vamos lutar, como democracias com a mesma mentalidade e como amigos."

Representando a Marinha norte-americana, o capitão-de-mar-e-guerra Thomas E. Myers, do Comando Sul dos EUA (USSOUTHCOM), confirmou o bom momento das relações entre os dois países, sublinhando que operações como a UNITAS servem, sobretudo, para promover a confiança mútua entre as forças militares de nações diferentes.

"Nós acreditamos um no outro, nós confiamos um no outro. Então, quando chegar o momento de nos unir e fazer isso para valer, nós estaremos prontos, e saberemos que podemos confiar um no outro para fazer e estar onde eles disserem que estarão quando for a hora", declarou o oficial americano também à Sputnik.

​Amanhã, o exercício marítimo multinacional mais antigo do mundo, o UNITAS LX, começa no Brasil.

Além de Brasil e Estados Unidos, a UNITAS 2019 também contará com representantes, entre delegações e observadores, de Argentina, Chile, Colômbia, Equador, México, Panamá, Paraguai, Peru, Portugal, Reino Unido e Japão. De hoje até o dia 22, acontece a chamada fase de porto, que consistirá em eventos pré-comissão, como reuniões de coordenação e ações cívico-sociais, entre as quais se destaca uma limpeza ecológica na praia de Icaraí, em Niterói, nesta terça-feira. Já na fase de mar, entre 22 e 30 de agosto, ocorrerão os exercícios propriamente ditos, com ações de superfície, aérea, de guerra eletrônica e operações de interdição marítima.

Entre os dias 27 e 30, mais especificamente, serão realizados exercícios de operações anfíbias na ilha da Marambaia, com o movimento de um elemento anfíbio multinacional, composto de aproximadamente 400 militares, veículos de assalto e embarcações de aterragem. Durante esses exercícios, segundo militares da Marinha do Brasil, será simulada uma operação de ajuda humanitária após um eventual desastre natural em um cenário hipotético.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала