Em meio a tensão com Paquistão, Índia diz que pode mudar sua doutrina nuclear

© AP Photo / ARINDAM DEYO ministro indiano da Defesa, Rajnath Singh, em foto de arquivo.
O ministro indiano da Defesa, Rajnath Singh, em foto de arquivo. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Índia mantém seu compromisso de não usar armas nucleares a não ser que sofra um ataque do mesmo tipo anteriormente, mas a política futura dependerá da situação, disse o ministro da Defesa nesta sexta-feira (16).

A Índia declarou-se uma potência nuclear depois de realizar testes subterrâneos em 1998 e o rival Paquistão respondeu com seus próprios testes pouco tempo depois. Desde então, especialistas nucleares dizem que os rivais vêm desenvolvendo armas nucleares e mísseis.

Em visita a Pokhran, no oeste da Índia, o local dos testes nucleares, o ministro da Defesa, Rajnath Singh, prestou homenagem ao ex-primeiro-ministro e reverenciado líder dos nacionalistas hindus, Atal Behari Vajpayee, por transformar a Índia em uma potência nuclear.

"Pokhran é a área que testemunhou a firme decisão de Atal Ji de tornar a Índia uma potência nuclear e ainda assim permanecer firmemente comprometida com a doutrina de 'não utilizar primeiro'", afirmou. "A Índia aderiu estritamente a essa doutrina. O que acontece no futuro depende das circunstâncias."

Na época dos testes, a Índia disse que precisava de um elemento de dissuasão contra a China, mas há muito tempo se preocupava com as capacidades nucleares do Paquistão.

A fala do ministro indiano ocorre em meio a tensões com o Paquistão por conta da Caxemira. A Índia revogou o status especial da região, que já causou duas das três guerras entre os dois países.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала