Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Vitrine do MEC, programa 'Future-se' é vago, dizem especialistas

© Foto / Marcelo Camargo/Agência BrasilO ministro da Educação, Abraham Weintraub, durante apresentação do programa "Future-se"
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, durante apresentação do programa Future-se - Sputnik Brasil
Nos siga no
Definido pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, como uma iniciativa capaz de colocar o Brasil "no mesmo patamar de países desenvolvidos", o programa Future-se é questionado por especialistas ouvidos pela Sputnik Brasil.

De adesão opcional, o Future-se facilita a captação de recursos privados pelas universidades federais. Para fazer parte, é necessário contratar uma organização social e, segundo o Ministério da Educação (MEC), a ação "permitirá o aumento da autonomia financeira das instituições federais de ensino". A iniciativa também prevê a cessão de uso e concessão de imóveis da União, a criação de um ranking que servirá como critério para concessão de prêmios, autoriza a venda de direitos de uso de nomes em órgãos das universidades, entre outras medidas.

A Sputnik Brasil entrevistou um professor universitário da iniciativa privada e outro de universidade pública — e ambos consideraram que faltam informações sobre o programa do MEC.

Benedito Aguiar, presidente do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras e reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, avalia que o Future-se tem "intenções nobres" e que acerta ao tentar aumentar a produção de inovação da academia brasileira, mas avalia que ele foi apresentado de maneira "não muito clara".

"O projeto até agora é um conjunto de ideais, materializar esse conjunto de ideais não é algo tão trivial. Creio que a partir desse conjunto de ideias, criando uma sinergia entre governo, universidade e aqueles que demandam a inovação, creio que podemos ter um resultado muito positivo", afirma Aguiar à Sputnik Brasil.

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) decidiu por meio do seu Conselho Universitário não aderir ao Future-se e emitiu nota criticando o projeto. 

O diretor da Associação de Docentes da UFRJ, Felipe Rosa, diz que o Future-se foi apresentado sem diálogo com a comunidade acadêmica e que o Observatório do Conhecimento, uma rede de associações e sindicatos de professores de universidades de diferentes estados, foi até Brasília para buscar o MEC, mas foi recebido com um "cadeado na porta".

"O Future-se é um projeto de educação superior e não tem nenhuma política específica de educação", diz Rosa à Sputnik Brasil. 

O diretor da Associação de Docentes da UFRJ diz que os cortes orçamentários no Ministério da Educação ameaçam o futuro da maior universidade federal do Brasil: "Os cortes vão impedir que a gente termine o semestre letivo com todas as funcionalidades que a universidade precisa para funcionar."

Segundo levantamento do Nexo, o Governo Federal bloqueou R$ 1,7 bilhão em recursos do ensino superior federal em março deste ano. À época, Weintraub disse que a medida foi tomada por conta da  "balbúrdia" nas instituições de ensino. Posteriormente, o ministro da Educação recuou e disse que o corte obedeceu a critérios técnicos.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала