Coreia do Norte diz que sua vontade de cumprir acordos com EUA e Seul diminuiu

© AP Photo / Pyongyang Press Corps Pool Presidente norte-coreano, Kim Jong-un, durante a assinatura de acordo conjunto com a Coreia do Sul, em Pyongyang (Coreia do Norte)
Presidente norte-coreano, Kim Jong-un, durante a assinatura de acordo conjunto com a Coreia do Sul, em Pyongyang (Coreia do Norte) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Exercícios militares dos EUA com a Coreia do Sul seriam a razão do desânimo norte-coreano em relação aos acordos estabelecidos. Pyongyang disse que irá rever seus passos dados até agora.

Ontem (5) os Estados Unidos e a Coreia do Sul iniciaram uma série de exercícios militares conjuntos, apesar da insatisfação do Norte. Para Pyongyang, os EUA aumentaram o número de armamentos presentes na Coreia do Sul.

A realização dos exercícios conjuntos seria um descumprimento por parte de Washington de seu compromisso firmado durante os encontros em Singapura e no Vietnã de não voltar a realizá-los.

"Tais fatos provam que tanto os EUA como a Coreia do Sul não têm vontade política de tornar realidade suas declarações de melhorar as relações entre as Coreias e com os EUA", disseram as autoridades do país em declaração na ONU.

Além disso, para Pyongyang, as ações da Coreia do Sul e dos EUA mostram que ambos ainda veem a Coreia do Norte como inimiga, enquanto o país pede para que os exercícios sejam cancelados.

© AP Photo / Lee Jin-manExercícios Foal Eagle com militares dos EUA e Coreia do Sul (Foto de arquivo)
Coreia do Norte diz que sua vontade de cumprir acordos com EUA e Seul diminuiu - Sputnik Brasil
Exercícios Foal Eagle com militares dos EUA e Coreia do Sul (Foto de arquivo)

A declaração do Norte também diz que o país irá rever seus passos dados até o momento, mas que continua vendo o diálogo como meio necessário para a solução dos problemas.

Por último, as autoridades do país declararam que, durante os exercícios militares, a dinâmica do diálogo será menos intensa.

A península coreana tem vivido momentos de tensão após a Coreia do Norte disparar mísseis em direção ao mar do Japão. Embora o presidente Trump declarasse não ter ficado incomodado com os testes, um submarino nuclear de seu país chegou à Coreia do Sul logo após o disparo dos mísseis.

Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un se encontraram por três vezes desde 2018. Durante os encontros foram feitas declarações de boas intenções, mas até o momento a questão nuclear da Coreia do Norte não foi resolvida.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала