NASA descobre misterioso buraco negro que desafia teoria de Einstein (FOTO)

© AP Photo / NASA/Observatório de raios-X Chandra/M.Weiss via APRepresentação artística fornecida pela NASA mostra estrela sendo engolida por buraco negro
Representação artística fornecida pela NASA mostra estrela sendo engolida por buraco negro - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Utilizando o telescópio Hubble, uma equipe de pesquisadores descobriu um fino disco de material que rodeia um buraco negro supermassivo no coração da galáxia NGC 3147.

Os buracos negros, quando estão em determinados tipos de galáxias, como a NGC 3147, encontrada a aproximadamente 130 milhões de anos-luz, são considerados "famintos", pois não há material suficiente capturado gravitacionalmente para alimentá-los.

Por isso, é surpreendente que um disco fino rodeie este buraco negro "faminto" que, no entanto, se comporta como se fosse um buraco negro supermassivo como os encontrados em galáxias muito mais ativas, informa o Daily Mail.

 

CC BY 4.0 / ESA / Hubble, M. Kornmesser / Buraco negro supermassivo no coração da uma galáxia espiral NGC 3147 (imagem artística)
NASA descobre misterioso buraco negro que desafia teoria de Einstein (FOTO)  - Sputnik Brasil
Buraco negro supermassivo no coração da uma galáxia espiral NGC 3147 (imagem artística)

 

O disco que cerca o buraco negro oferece uma oportunidade única de provar as teorias da relatividade de Albert Einstein, pois o disco está tão incorporado no campo gravitacional do buraco negro que sua luz é alterada, conforme as teorias de Einstein.

"Nunca vimos os efeitos da relatividade geral e especialmente na luz visível com tanta claridade", assegura Marco Chiaberge, membro da equipe.

O telescópio Hubble também observou que o material do disco girava em torno do buraco negro a mais de 10% da velocidade da luz, dando a impressão de estar brilhando mais quando se aproxima da Terra, enquanto esse brilho diminui conforme se afasta da Terra.

Para estudar a matéria do disco, os pesquisadores utilizaram o Telescópio Espacial Hubble, dividindo a luz do objeto em seus muitos comprimentos de onda individuais para determinar a velocidade, a temperatura e outras características do objeto.

"O tipo de disco que observamos é um quasar reduzido que não esperávamos que existisse", explicou o líder do estudo, Stefano Bianchi, da Universidade de Roma III.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала