França teria advertido EUA contra envolvimento da OTAN em operação militar no golfo Pérsico

© REUTERS / Jean-Paul PelissierCaça Super Étendard francês hasteia bandeira nacional a bordo do porta-aviões Charles de Gaulle, no porto de Toulon em 18 de novembro
Caça Super Étendard francês hasteia bandeira nacional a bordo do porta-aviões Charles de Gaulle, no porto de Toulon em 18 de novembro - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A França pediu aos EUA para não arrastar a Aliança Atlântica a uma possível operação militar no golfo Pérsico, afirmaram diplomatas familiarizados com as discussões, de acordo com a Reuters.

De acordo com os diplomatas, oficiais franceses deram os comentários durante uma reunião a portas fechadas com o secretário interino de Defesa dos EUA, Mark Esper, nesta quinta-feira (27). Representantes alemães se uniram aos franceses para pedir que o acordo nuclear iraniano de 2015 seja mantido, e não "comprometido".

Esper disse aos aliados da OTAN que os EUA não procuravam um conflito com Teerã, mas "não tolerariam" mais incidentes após o abate de um drone de 130 milhões de dólares por um míssil iraniano, ocorrido na semana passada.

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, confirmou que os EUA "transmitiram claramente" aos seus aliados que não queriam ver uma guerra com o Irã, como foi escrito pela Reuters.

Os ministros da Defesa da Aliança estão realizando o segundo dia de reuniões no quartel-general da OTAN em Bruxelas, debatendo uma série de questões, incluindo o Irã, o abandono do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio, a compra turca de sistemas russos avançados de defesa antiaérea e outros assuntos.

Aumento de tensões

As tensões de longa data entre Teerã e Washington aumentaram acentuadamente em 20 de junho, depois de militares iranianos terem abatido um drone RQ-4 Global Hawk dos EUA que, segundo o Irã, estava operando no seu espaço aéreo.

Já os EUA disseram que o drone estava sobrevoando águas internacionais no estreito de Ormuz, considerando a derrubada uma provocação. Após incidente, o presidente Donald Trump escreveu ter decidido não atacar o Irã a 10 minutos do ataque, pela possibilidade de matar 150 iranianos, o que, segundo ele, não seria "proporcional".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала