'Não somos lixeira': Indonésia manda lixo disfarçado de recicláveis de volta aos EUA

© AP Photo / Scripps Institution of Oceanography, Mario AguileraLixo no Pacífico
Lixo no Pacífico - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Indonésia diz que não vai se tornar mais um "depósito de lixo" mundial depois de ter devolvido cinco contêineres de lixo para os EUA, juntando-se ao crescente número de nações asiáticas para rejeitar recentemente os "recicláveis" ocidentais.

O lixo chegou na Indonésia em março, vindo da cidade americana de Seattle. A carga, enviada por uma empresa canadense, deveria conter material de reciclagem de papel, mas o Ministério do Meio Ambiente e Florestal descobriu várias "impurezas" dentro de cinco contêineres e ordenou que fossem "reexportadas".

Os recipientes foram preenchidos com "quantidades significativas" de vários resíduos de plástico e calçados, além de outros tipos de lixo, como restos de madeira, tecidos e até mesmo fraldas.

Uma garrafa plástica e outros detritos em praia do Oceano Índico localizada em Uswetakeiyawa, Sri Lanka. - Sputnik Brasil
EUA se recusam a assinar acordo de 187 países que regulamenta exportação de lixo plástico

"Embora os contêineres fossem originalmente do Canadá, o país de partida eram os EUA", disse Sayid Muhadhar, secretário-geral da Diretoria de Resíduos e Gestão de Resíduos Perigosos. "Isso não é apropriado e não queremos ser um depósito de lixo".

A Indonésia, que tem uma capacidade muito limitada para reciclar até mesmo seu próprio plástico, tem um decreto proibindo a importação de resíduos plásticos de consumo. Os resíduos de produção na forma de papel limpo e sucatas de plástico ainda podem entrar no país, se o Ministério do Comércio conceder uma licença de importação.

Qualquer lixo que entre ilegalmente no país será imediatamente enviado de volta, alertou o ministro indonésio de Meio Ambiente e Florestas, Siti Nurbaya Bakar, no início deste mês, enfatizando que o governo investigará quaisquer más práticas cometidas e violações.

Apenas na última sexta-feira, a alfândega de Batam recebeu 65 contêineres da América do Norte e da Europa que as autoridades acreditam que podem conter resíduos tóxicos, informou o jornal Jakarta Post, observando que os contêineres foram lacrados enquanto um laboratório examina as amostras. O país já retornou dezenas de contêineres preenchidos com plástico ilegal em 2015 e 2016.

A Indonésia quebrou seu recorde de uma década e importou um total de 283.000 toneladas de plástico no ano passado, segundo a Agência Nacional de Estatísticas. O enorme aumento de 141% ocorreu após a decisão de janeiro de 2018 da China de deixar de aceitar resíduos plásticos do resto do mundo devido a preocupações ambientais. No passado, a China processava mais da metade do lixo do mundo.

O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Presidente filipino promete declarar guerra ao Canadá após denunciar 'tráfico de lixo'

A proibição de Pequim forçou as corporações ocidentais, que não têm capacidade de reciclagem de lixo, a buscar novos "mercados" na Ásia. A situação piorou ainda mais quando a Índia seguiu o exemplo da China e proibiu a importação de resíduos sólidos de plástico.

Como resultado, toneladas de lixo dos EUA, Europa e Austrália acabaram indo para a Malásia, Tailândia, Vietnã e Filipinas, forçando esses países a buscar contramedidas para proteger seu meio ambiente. O Vietnã colocou uma moratória na concessão de novas licenças de importação, enquanto a Tailândia emitiu uma proibição de importações. Enquanto isso, a Malásia e as Filipinas recentemente enviaram de volta montanhas de lixo para seus destinos originais.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала