Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

'Vão pagar um preço': Bolton fala em 'ações cibernéticas' dos EUA contra a Rússia

© Sputnik / Alexey Vitvitsky / Abrir o banco de imagensJohn Bolton na OTAN.
John Bolton na OTAN. - Sputnik Brasil
Nos siga no
Os Estados Unidos estão intensificando as operações cibernéticas que visam a Rússia e outros adversários, no que o assessor de segurança nacional dos EUA, John Bolton, diz ser uma resposta à interferência eleitoral.

Falando na conferência da Rede CFO do The Wall Street Journal na terça-feira, Bolton destacou que Washington tomou medidas para criar "estruturas de dissuasão" no ciberespaço a fim de impedir a interferência nas eleições dos EUA, mas o que ele descreveu se parece muito com o lançamento de uma guerra cibernética.

Sob uma nova diretriz presidencial, o governo "mudou fundamentalmente a maneira como o governo dos Estados Unidos toma decisões sobre operações cibernéticas ofensivas", afirmou Bolton, acrescentando que a nova abordagem melhorou as "capacidades em toda a linha para se envolver em atividades cibernéticas mais ofensivas".

Apesar de Bolton ter dito que as medidas visavam "evitar o conflito", o conselheiro da Casa Branca não conseguiu resistir a algum barulho público.

Jorge Arreaza, ministro das Relações Exteriores da Venezuela, durante coletiva de imprensa em Moscou, Rússia - Sputnik Brasil
Declarações de Bolton sobre Venezuela são perversas, diz chanceler

"O objetivo [...] é dizer à Rússia, ou a qualquer outra pessoa que esteja envolvida em operações cibernéticas contra nós, 'você pagará um preço'", alertou. "Vamos impor custos a você até você chegar ao ponto [de desistir]".

Bolton disse que os esforços dos EUA estavam amplamente focados em atores estatais - ele descartou a lista de suspeitos do costume: China, Rússia, Irã e Coreia do Norte -, mas notou que algumas atenções estavam sendo dedicadas à pirataria no setor privado.

Talvez a figura mais belicosa da Casa Branca em assuntos de política externa, Bolton há muito defende uma posição mais hostil no ciberespaço. Em um editorial para o site The Hill no ano passado, ele pediu aos EUA que lançassem uma "campanha cibernética de retaliação" contra a Rússia, que aparentemente se tornou política.

A crescente ofensiva cibernética acontece quando companhia chinesa Huawei discute com Washington as acusações de roubo e espionagem, e enquanto os democratas no Congresso avançam com as investigações sobre a suposta interferência da eleição russa e se o presidente Donald Trump obstruiu a investigação sobre o episódio.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала