Rússia agradece contribuição da Suíça para solução da crise no Donbass

© Sputnik / Stringer / Abrir o banco de imagensBlindados e militares em Lugansk, Donbass
Blindados e militares em Lugansk, Donbass - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Rússia aplaude a contribuição da Suíça para resolver a crise no leste da Ucrânia, disse o primeiro vice-chefe do escritório do governo russo, Sergei Prikhodko.

"Saudamos a contribuição de representantes da Suíça nas negociações para resolver a crise interna na Ucrânia, que se referem principalmente à ex-embaixadora para assuntos especiais, Heidi Tagliavini que, em 2014-2015, foi representante especial do presidente rotativo da Organização para a segurança e Cooperação na Europa (OSCE) no Grupo de Contacto para a Ucrânia e participou pessoalmente na elaboração dos acordos Minsk", disse Prikhodko aos jornalistas neste domingo.

Combatentes do batalhão Azov prestam juramento em Kiev antes de serem enviados a Donbass, julho de 2014 - Sputnik Brasil
Rússia diz que cidadãos de Donbass podem solicitar cidadania russa e manter a ucraniana
O alto funcionário destacou ainda o papel do diplomata suíço Toni Frisch, coordenador do subrgupo humanitário Trilateral do Grupo de Contacto, e sua contribuição na resolução dos problemas urgentes dos residentes de Donabass, afetados pelo conflito.

Prikhodko destacou que, desde abril de 2015, a Suíça enviou para Donbas pelo menos 12 mil toneladas de ajuda humanitária, incluindo produtos químicos que tornam possível fornecer água potável a "mais de quatro milhões de pessoas que vivem em ambos os lados da Linha de Controle".

Desde abril de 2014, a Ucrânia realiza uma operação contra milícias na parte oriental de seu território, onde as autoproclamadas repúblicas de Donetsk e de Lugansk se formaram, após um golpe de Estado em Kiev, em fevereiro do mesmo ano.

Os acordos de Minsk, assinados em setembro de 2014 e fevereiro 2015, lançaram as bases para uma solução política para o conflito, mas não resultaram, até o momento, em fim da violência. Segundo a ONU, 13 mil pessoas foram mortas durante o conflito.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала