Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Criticado, Netanyahu cede Ministério da Justiça a polêmico defensor do premiê

© AP Photo / Sebastian ScheinerPrimeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na reunião semanal de gabinete em Jerusalém, 16 de setembro de 2018
Primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na reunião semanal de gabinete em Jerusalém, 16 de setembro de 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Depois de assumir brevemente o cargo para si mesmo e ser criticado, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu nomeou um novo ministro da Justiça de seu próprio partido, o Likud, para o posto. O nomeado é um forte defensor de longa data do premiê.

O gabinete de Netanyahu anunciou na noite de quarta-feira que entregaria o Ministério da Justiça, que Netanyahu mantinha junto com os de Defesa, Saúde, Educação e primeiro-ministro, para Amir Ohana, que atua como membro do Parlamento israelense, o Knesset, desde 2015.

"O congressista Amir Ohana é um jurista que conhece bem o sistema legal", informou o gabinete em um comunicado, observando sua qualificação como bacharel em Direito e sua década de experiência na profissão jurídica.

Alguns comentaristas israelenses sugeriram que a escolha tinha pouco a ver com a perícia legal de Ohana, mas, em vez disso, seus esforços para introduzir legislação que imunizasse funcionários, incluindo primeiros-ministros, de indiciamento.

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel - Sputnik Brasil
Surreal: acusado de corrupção, Netanyahu assume o Ministério da Justiça em Israel

Tal lei viria a calhar para Netanyahu, que atualmente está envolvido em nada menos que três casos de corrupção.

Ohana também liderou o comitê que elaborou a tão criticada "lei do Estado-nação", e foi um dos principais arquitetos do projeto. Enquanto os críticos dizem que o projeto de lei discrimina cidadãos não-judeus de Israel, Ohana o chamou de "a lei mais importante" da história do país.

Netanyahu e seu partido saíram vencedores da eleição legislativa de abril, mas, não conseguindo reunir uma coalizão no prazo de seis semanas, os vencedores foram forçados a dissolver o parlamento e re-convocar as eleições para setembro. Após a nova corrida, o Ministério da Justiça poderá mudar de mãos novamente.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала