- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Pedir para que alunos filmem professores é medida de regime totalitário, diz ex-ministro da Educação

© Foto / Marcello Casal Jr/Agência BrasilAluno caminha em escola de Brasília (DF)
Aluno caminha em escola de Brasília (DF) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Seis ex-ministros da Educação assinaram uma carta em defesa das políticas públicas da área, pedindo a garantia de recursos, maior autonomia universitária e igualdade de acesso.

O documento foi apresentado na Universidade de São Paulo (USP) nesta terça-feira (4). O documento é assinado pelos ex-ministros da Educação José Goldemberg (1991-92), Murilo Hingel (1992-95), Cristovam Buarque (2003-2004), Fernando Haddad (2005-2012), Aloísio Mercadante (2012-2014 e 2015-2016) e Renato Janine Ribeiro (2015).

Estudantes e professores de institutos federais e universidades fazem manifestação na Avenida Presidente Vargas em protesto contra o bloqueio de verbas da educação - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Ex-ministros da Educação lançam manifestos contra cortes do governo Bolsonaro
Em entrevista à Sputnik Brasil, o ex-ministro José Goldemberg foi duro em suas críticas e disse que o governo Bolsonaro apoia medidas autoritárias quando incentiva alunos filmarem professores.

"O governo fez acusações genéricas de que havia um marxismo cultural controlando as universidades públicas e de que seria preciso fazer um expurgo nas universidades. Ele apelava para que os alunos filmassem os professores, são medidas que só existem em regimes totalitários", disse.

José Goldemberg destacou o fato de serem ministros de diversas posições políticas que se reuniram para assinar o documento.

"Esses ministros que serviram em vários governos não podem ser suspeitos e resolveram se reunir e fazer uma carta chamando atenção da sociedade e do governo de que não é verdade que as universidades sejam dominadas pelo marxismo cultural", afirmou.

Eles também defendem, no documento, o "respeito à profissão docente" e a autonomia universitária, condenando o que chamaram de "censura inaceitável" aos professores e o corte de recursos da educação básica e superior implementado governo federal no mês de abril.

"O que preocupou os ministros é um certo sectarismo de parte da atual administração e o corte de verbas", afirmou Goldemberg.

Os ex-ministros prometem realizar reuniões periódicas para avaliar a situação da educação no Brasil ao longo dos próximos anos de governo Bolsonaro.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала