Pompeo admite que CIA tem cometido erros, mas não no caso da Huawei

© AP Photo / Phil NijhuisSecretário de Estado dos EUA Mike Pompeo
Secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Mike Pompeo está fazendo visitas oficiais a vários países europeus, entre os quais a Alemanha, Suíça e Holanda, em uma tentativa de buscar um terreno comum com os aliados europeus de Washington.

Em uma entrevista à Euronews durante sua visita à Holanda, o secretário de Estado dos EUA disse que as relações entre a Europa e os EUA são "excelentes", mas que as condições atuais do comércio são injustas em relação à América.

Pompeo disse que o presidente dos EUA "tentou atingir condições justas, recíprocas, iguais para a América e para a Europa" e que  as "discordâncias" têm sido um elemento normal da diplomacia transatlântica. 

Questionado sobre o fato de Trump ter chamado a União Europeia de "inimiga", Pompeo respondeu: "Acho que o presidente Trump queria dizer que há lugares onde a economia dos EUA não tem sido tratada de forma justa".

Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil
Pompeo repreende 'regime islâmico' do Irã e diz que EUA podem dialogar sem precondições

"Não podemos vender nossos produtos agrícolas na maioria dos países da União Europeia, mas a UE pode vender seus produtos nos EUA, isso não é justo, não é recíproco. Ninguém pensaria que se estabeleceria um regime de comércio que permitisse que isso continuasse a acontecer, que houvesse tarifas desiguais."

Interrogado sobre a política externa e comercial dos EUA, o secretário de Estado negou que haja tensões com a Europa, nomeadamente sobre como lidar com o Irã e a Venezuela, salientando que ele se encontra com seus colegas europeus constantemente.

Pompeo também declarou que sempre há discordâncias, disputas, disputas comerciais, mas "o caso é sempre definido pelos nossos valores comuns, estes prevalecem sempre e voltarão a prevalecer aqui também."

Perguntando sobre as tensões comerciais entre os EUA e a China no contexto da disputa com a Huawei e a proibição norte-americana de realizar os negócios com o gigante chinês, o secretário de Estado insistiu que as agências de inteligência dos EUA tinham razão em ter preocupações quanto à empresa, apesar do ceticismo expresso por Donald Trump.

"Não há dúvidas que a comunidade de inteligência comete erros de vez em quando", disse Pompeo sobre a CIA, "mas o trabalho deles em geral é excelente", sublinhou, acrescentando que se pode contar com a CIA e acreditar nela.

Logo Huawei - Sputnik Brasil
Após veto à Huawei, China prepara 'lista negra' de empresas estrangeiras

Segundo o secretário de Estado, a gerência da Huawei, com três pessoas membros do Partido Comunista entre os diretores, tem sido "profundamente inconsistente" com os padrões europeus. 

"Nos países ocidentais, as democracias liberais partilham um conjunto de valores comuns. Os chineses não partilham esse conjunto de valores", disse

Pompeo também considerou inaceitável a situação em que "não se pode ter informações privadas através de uma rede à qual o governo chinês tem acesso e a qual controla".

"Os europeus preocupam-se profundamente com a privacidade, sei isso muito bem", disse. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала