Primeiro-ministro malaio critica resultados da investigação da catástrofe do MH17

© Sputnik / Maksim Blinov / Abrir o banco de imagensFragmentos do avião MH17 durante apresntação de relatório na Holanda
Fragmentos do avião MH17 durante apresntação de relatório na Holanda - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, declarou que a investigação da derrubada do Boeing malásio na Ucrânia em 2014 foi politizada demais, segundo informa o jornal Malay Mail.

"Eles acusam a Rússia, mas onde estão as evidências? Nós sabemos que o míssil que atingiu a aeronave era de um tipo russo, mas podia ter sido feito na Ucrânia também", disse o primeiro-ministro malaio em uma coletiva de imprensa em Tóquio, citando pelo Malay Mail.

Mohamad sublinhou que o MH17 podia ter sido derrubado pela milícia ou pelos ucranianos, "por que eles também têm esse míssil".

Ademais, o primeiro-ministro declarou que a Malásia deve participar da investigação das caixas pretas, mas "por alguma razão" o país não foi admitido na investigação.

"Nós não sabemos por que fomos afastados da investigação, mas desde o início vemos demasiada política nesta questão, a ideia não era revelar como isso aconteceu, mas parece ter sido concentrada no objetivo de atribuir a culpa aos russos", concluiu.

Posto de comando aéreo com base no avião Il-80 (imagem referencial) - Sputnik Brasil
'Aviões do Juízo Final' russos são garantia contra terceira guerra mundial, diz analista

Em 17 de julho de 2014, um Boeing 777 malaio da companhia Malaysia Airlines, que fazia o voo MH17 de Amsterdã para Kuala Lumpur, foi atingido por um míssil na região de Donetsk, no leste da Ucrânia. Todas as 298 pessoas a bordo morreram.

Primeiramente, Kiev acusou a milícia de Donbass. Mais tarde, o Centro Conjunto de Investigação, dirigido pela Holanda, declarou que, segundo os resultados da investigação, o sistema Buk que derrubou o Boeing era proveniente da Rússia, entretanto os representantes russos não foram autorizados a participar da investigação.

Experimentos do consórcio Almaz-Antey, especializado em equipamentos de defesa antiaérea, provaram que o avião foi atingido desde o território controlado pelo Exército ucraniano. O Ministério da Defesa russo confirmou que todos mísseis deste tipo foram reciclados depois do ano de 2011. A investigação não fez caso de toda essa informação.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала