OTAN se diz disposta a 'ajudar a Líbia'

Nos siga noTelegram
A OTAN está pronta para "ajudar a Líbia" na criação de estruturas de segurança se as condições forem favoráveis, declarou o secretário-geral da Aliança, Jens Stoltenberg, em uma reunião com o enviado especial da ONU à Líbia, Gassan Salama.

Stoltenberg realizou uma reunião com Salama na segunda-feira (13) para discutir a situação na Líbia, vindo a expressar profunda preocupação da Aliança com a situação na Líbia e sublinhou que continuará a apelar a todas as partes para que cessem as hostilidades e se juntem ao processo político. Ele deixou claro que não há solução militar para a situação na Líbia, informa a assessoria de imprensa da OTAN.

Além do mais, a OTAN "está pronta para ajudar a Líbia a criar instituições de segurança eficazes, incluindo um Ministério da Defesa moderno e serviços de segurança eficazes sob o controle civil do governo", mas "será feito a pedido do governo líbio e apenas se as condições de segurança forem favoráveis", destacou.

Um membro das forças governamentais reconhecidas internacionalmente na Líbia dispara durante uma luta contra forças orientais em Ain Zara, Trípoli. - Sputnik Brasil
Secretário-geral da ONU pede cessar-fogo na Líbia e fim da ofensiva em Trípoli
Em meados de fevereiro de 2011, manifestações maciças foram iniciadas na Líbia para saída de Muammar Kadhafi do poder, depois de mais de 40 anos de controle, vindo a se transformar mais tarde em confronto armado entre forças governamentais e rebeldes.

Em 17 de março, o Conselho de Segurança das Nações Unidas adotou resolução que prevê a introdução de uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia e abre a possibilidade de intervenção militar estrangeira na situação deste país do Norte da África.

Tanque do exército líbio durante confrontos com militantes em Benghazi, Líbia (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Governo de Acordo Nacional da Líbia garante que será capaz de expulsar Haftar de Trípoli
A operação das forças da coligação, que teve início em 19 de março, contou, nomeadamente, com a participação do Reino Unido, França, Estados Unidos, Canadá, Bélgica, Itália, Espanha, Dinamarca e Noruega.

Após a derrubada e o assassinato de Kadhafi, em 2011, durante conflito armado, a Líbia atravessa um período de crise aguda. O país está dividido em dois poderes: a leste, o parlamento eleito se reúne em Tobruk, e a oeste, na capital, Trípoli, existe um governo de consenso nacional formado com o apoio da ONU e da UE.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала