3 'armas' econômicas que China pode usar na guerra comercial com EUA

CC0 / Pixabay / Dólares e relógio
Dólares e relógio - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A China dispõe de poderosas ferramentas econômicas que poderia usar na sua batalha comercial com os EUA, opina a jornalista Katherine Greifeld.

Entretanto, em vez de impor tarifas sobre importações americanas, Pequim poderia usar outras medidas que escalariam a tensão entre os dois países, revela a jornalista Katherine Greifeld em seu artigo para a Bloomberg.

Notas yuan e dólares dos EUA são vistos em uma mesa em Yichang, província de Hubei, na China central em 14 de agosto de 2015 - Sputnik Brasil
Nova espiral da guerra comercial sino-americana: após tarifas, Pequim promete retaliar
Desvalorização do yuan

Para Greifeld, Pequim poderia desvalorizar sua moeda nacional para reduzir o impacto do aumento das tarifas de Washington. Em 2018, a divisa chinesa se desvalorizou 5,5% em relação ao dólar, provocando a ira de Trump e as especulações que a China poderia ter desvalorizado sua moeda deliberadamente.

Entretanto, a economista-chefe da UBS Group AG, Tao Wang, considera que é pouco provável que a China vá usar essa ferramenta, particularmente se se levar em conta a dolorosa experiência de 2015, quando a desvalorização do yuan provocou uma fuga de capitais.

"A China não gosta das fugas provocadas por ela mesma como resultado da desvalorização porque costumam diminuir a confiança doméstica. Além disso, a desvalorização registrada em 2018 irritou a administração de Trump e levou ao aumento das tarifas aduaneiras [dos EUA]", explicou Wang.

Como resultado, o tema ligado às divisas se converteu em um ponto focal nas negociações comerciais entre ambos os países, revelou à Bloomberg uma fonte familiarizada com o assunto.

Barras de ouro (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil
'Armadilha dourada': como Rússia e China estão dispostas a pôr fim à hegemonia do dólar

Venda de títulos do Tesouro dos EUA

Atualmente a China, sendo o maior detentor de títulos da dívida pública dos EUA, possui títulos no valor de 1,1 bilhão de dólares (R$ 4,4 bilhões). Greifeld opina que esses ativos poderiam se converter em uma arma poderosa se Pequim decidir vendê-los. Por exemplo, em 2018 o mercado sofreu um "terremoto" quando os funcionários chineses recomendaram desacelerar ou parar a compra de títulos do Tesouro estadunidenses.

Contudo, o analista Ed Al-Hussainy, da empresa financeira Columbia Threadneedle Investments, considera que realmente a China não tem outro ativo adequado para suas reservas internacionais, que alcançam 3,1 bilhões de dólares (R$ 12,3 bilhões). Além disso, se a China vender seus títulos do Tesouro dos EUA, esse passo poderia causar a queda dos preços, entre outras consequências, revelou a autora do artigo.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, participa de almoço com artistas sertanejos, no Clube do Exército, em Brasília - Sputnik Brasil
Bolsonaro pode usar guerra comercial EUA-China em prol da soja brasileira, diz economista

Impedimento de compras de soja

Atualmente a China é o maior comprador das sementes de soja dos EUA. Pequim já impôs tarifas de 25% sobre as importações desse produto de produção estadunidense.

Segundo Greifeld, a soja é cultivada principalmente nos estados do centro-oeste, que compõem a base eleitoral de Donald Trump. Esta é a razão pela qual o destino das exportações de soja dos EUA é muito importante para o presidente dos EUA.

"O impedimento do fornecimento de soja seria uma medida relativamente fácil em comparação com a desvalorização do yuan e o ataque contra aos títulos", disse Setser.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала