EUA x China: chefe do FMI alerta que 'rumores e tweets' ameaçam a economia mundial

© Sputnik / Vladimir Pyesnya / Abrir o banco de imagensChristine Lagarde, diretora-gerente do FMI
Christine Lagarde, diretora-gerente do FMI - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As novas tensões comerciais entre as duas maiores economias do mundo, a China e os EUA, são uma ameaça para a economia global, afirmou Christine Lagarde, diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Para nós do FMI, é imperativo que as tensões comerciais sejam resolvidas de forma satisfatória para todos, porque claramente as tensões entre os Estados Unidos e a China são a ameaça à economia global", disse Lagarde a jornalistas durante uma conferência no Ministério das Finanças da França.

A chefe do FMI ressaltou que os últimos "rumores e tweets" não são conducentes a nenhum acordo. De acordo com Lagarde, é vital que as partes eliminem a atual incerteza sobre o assunto e passem para a "adoção de uma estrutura legal e regulatória clara", permitindo que as corporações afetadas continuem fazendo negócios.

O então candidato republicano à presidência dos EUA, Donald Trump, durante uma coletiva de imprensa na Trump Tower, em Nova York (arquivo) - Sputnik Brasil
Trump critica práticas comerciais da China e promete 'derrotar' Pequim

O alerta vem logo depois que a disputa entre Pequim e Washington entrou em uma nova etapa enquanto o presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçava novas tarifas sobre as importações chinesas, citando a atual estagnação nas negociações sobre comércio mútuo. A medida incluirá o aumento das importações de US$ 200 bilhões de produtos chineses de 10% para 25%.

O comentário de Trump veio antes de uma visita oficial de uma delegação chinesa a Washington, marcada para quarta-feira.

O amplo confronto comercial entre as superpotências econômicas começou no início de 2018, depois que a administração Trump elevou as tarifas sobre as importações da China e de vários outros países em uma tentativa de enfrentar o crescente déficit comercial dos EUA. Até agora, os EUA introduziram tarifas sobre quase US$ 250 bilhões em importações chinesas. Pequim retaliou com impostos de US$ 110 bilhões de bens norte-americanos.

No início deste ano, especialistas da agência de Washington alertaram que os passos dos EUA para construir barreiras para corrigir os desequilíbrios comerciais não seriam eficazes. Naquela época, o FMI advertia que as tarifas impostas às importações de um sócio seriam eliminadas por mudanças nos saldos comerciais com outros.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала