Mídia revela como EUA perderam oportunidade de conquistar confiança dos militares venezuelanos

© REUTERS / Carlos Garcia RawlinsMilitares venezuelanos ao lado da base aérea La Carlota, 30 de abril de 2019
Militares venezuelanos ao lado da base aérea La Carlota, 30 de abril de 2019 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As autoridades dos EUA teriam podido obter apoio dos militares de alta potente venezuelanos se há dois anos tivessem prestado ajuda a um dos generais da Venezuela, informou a agência Associated Press.

Segundo a Associated Press, em maio de 2017, a Casa Branca recebeu um pedido incomum: o comandante da guarda presidencial e da contrainteligência venezuelanas, Ivan Hernández, solicitou um visto estadunidense. Hernández queria mandar seu filho de três anos para Boston para fazer uma cirurgia cerebral em um dos hospitais e precisava de vistos para sua família.

Depois de vários dias de debates internos, o governo de Trump decidiu rejeitar o pedido, não vendo nenhum sentido "em ajudar um alto funcionário de um governo socialista que eles [os EUA] consideravam corrupto e agressivo".

Segundo fontes citadas pela agência, se há dois anos as autoridades americanas tivessem aprovado o pedido de Hernández, hoje ele poderia ficar ao lado do líder da oposição venezuelana Juan Guaidó, apoiado por Washington.

Líder da oposição venezuelana e presidente autoproclamado, Juan Guaidó, discursa em frente à base aérea La Carlota, em Caracas - Sputnik Brasil
Grupo de Lima reafirma apoio a Guaidó e pede solução pacífica para crise na Venezuela

Atualmente, Hernández, bem como o ministro da Defesa do país Vladimir Padrino Lopez e o presidente do Tribunal Supremo de Justiça, Maikel Moreno, continuam apoiando Nicolás Maduro.

Em 30 de abril, o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente interino do país, lançou a chamada Operação Liberdade para retirar Nicolás Maduro do poder. Em um vídeo publicado no Twitter, Guaidó aparece ao lado de militares e do líder oposicionista Leopoldo López, que estava preso desde 2014 e foi libertado pelos rebeldes, na base aérea de La Carlota, em Caracas. Guaidó pede uma "luta não violenta", diz ter os militares do seu lado e afirma que "o momento é agora".

Segundo o ministro venezuelano da Defesa, Vladimir Padrino López, as Forças Armadas da Venezuela continuam sendo completamente fiéis às autoridades legítimas.

A Venezuela tem lidado com uma grave crise política, com o líder da oposição, Juan Guaidó, proclamando-se presidente interino do país em 23 de janeiro.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала