EUA pretendem frear desenvolvimento militar chinês com caças F-35, segundo general

© Foto / Força Aérea dos EUAF-35A Lightning II disparando míssil AMRAAM na costa da Califórnia durante teste, em 30 de outubro de 2014
F-35A Lightning II disparando míssil AMRAAM na costa da Califórnia durante teste, em 30 de outubro de 2014 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A China está trabalhando cada vez mais intensamente no desenvolvimento de seus novos caças e bombardeiros. Tendo isso em consideração, os EUA estão se preparando para contrariar isso através do envio de seus caças F-35 ao Pacífico, segundo o comandante da Força Aérea dos EUA no Pacífico, general Charles Brown.

Segundo a inteligência norte-americana, os militares chineses estão desenvolvendo novos bombardeiros furtivos de médio e longo alcance com o objetivo de elevar suas capacidades de ataque.

O novo caça furtivo J-20 chinês pode estar operacional neste ano. Além disso, o país considera a ideia de transformar o caça furtivo J-31 em uma aeronave embarcada para ser utilizada pela Marinha chinesa nos seus futuros porta-aviões.

O general Charles Brown disse ao portal Bloomberg que o emprego dos F-35 será necessário para conter os desenvolvimentos chineses, já que o novo caça J-20 chinês é considerado como um sinal de “maior ameaça, maior capacidade” da China no Pacífico e, por isso, os EUA planejam que os F-35 sobrevoem continuamente áreas estratégicas como a mar do Sul da China.

Nesta foto sem data divulgada pela Agência de Notícias Xinhua da China, disponibilizada no domingo, 25 de novembro de 2012, um jato de carga J-15 transportado por um porta-aviões decola do Liaoning - Sputnik Brasil
Caça chinês J-15 decola de porta-aviões e sobrevoa Pacífico (VÍDEO)
Recentemente, Brown afirmou a repórteres japoneses que ele espera que os EUA e seus aliados no Pacífico possuam mais de 200 caças F-35 em operação na região até 2025, destacando que os aliados dos EUA, como o Japão, Coreia do Sul e Austrália, fazem parte do programa do F-35.

Contudo, a Força Aérea chinesa é a maior da região e a terceira maior do mundo, com aproximadamente 2.500 aeronaves, incluindo 1.700 caças e bombardeiros. Sendo assim, a China é uma das três nações a desenvolver um caça de quinta geração e a conseguir criar um bombardeiro furtivo nuclear, se tornando assim um dos três países a completar a tríade nuclear.

De acordo com a mídia chinesa, os analistas argumentam que o caça J-20 chinês terá uma “superioridade dominante” sobre o caça F-35, proporcionando a capacidade de enfrentar o chamado “círculo de amigos do caça F-35 dos EUA”.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала