Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Trump é 'servo' dos sauditas por apoio ao genocídio no Iêmen, diz possível rival em 2020

© AP Photo / Marco GarciaIn this Nov. 6, 2018, file photo, Rep. Tulsi Gabbard, D-Hawaii, greets supporters in Honolulu. Gabbard has announced she’s running for president in 2020
In this Nov. 6, 2018, file photo, Rep. Tulsi Gabbard, D-Hawaii, greets supporters in Honolulu. Gabbard has announced she’s running for president in 2020 - Sputnik Brasil
Nos siga no
Candidata à nomeação presidencial democrata em 2020, a deputada estadunidense Tulsi Gabbard chamou a decisão do presidente Donald Trump de vetar um projeto de lei que visa acabar com o apoio dos EUA à guerra do Iêmen, nada mais do que uma prova de que ele serve à Arábia Saudita.

"Ao vetar a [proposta] Resolução dos Poderes de Guerra, Trump novamente prova que é servo da Arábia Saudita - a ditadura teocrática gastou bilhões espalhando a forma mais extrema e intolerante do Islã em todo o mundo, apoiando a Al-Qaeda e outros jihadistas e fazendo genocídio guerra no Iêmen com a ajuda dos EUA", disse Gabbard em um tweet emocional.

Míssil Antinavio Nacional de Superfície (Mansup) da Marinha do Brasil, fabricado pela Avibras e exposto na LAAD 2019 - Sputnik Brasil
Avibras nega papel em mortes no Iêmen e aguarda aceno de Bolsonaro à indústria bélica
A Resolução dos Poderes de Guerra, aprovada na Câmara dos Deputados em abril e no Senado em março, foi vetada por Trump, que afirmou ser uma "tentativa desnecessária e perigosa de enfraquecer minhas autoridades constitucionais, colocando em risco a vida dos cidadãos americanos e corajosos membros do serviço".

No vídeo que acompanha o tweet, Gabbard é ouvida dizendo que os EUA são cúmplices "neste genocídio que está obrigando milhões de pessoas a passar fome e sofrer". Ela acusou Trump de estar "mais interessado em agradar os sauditas do que fazer o que é certo".

Esta não é a primeira vez que Gabbard atacou Trump por conta das relações de Washington com a Arábia Saudita. No ano passado, ela twittou: "Ei @realdonaldtrump: ser a p**** da Arábia Saudita não é 'América Primeiro'".

Desde que uma coalizão liderada pela Arábia Saudita iniciou a ofensiva militar contra o Iêmen em 2015, estima-se que 60.000 iemenitas tenham morrido devido ao conflito, e outros 85.000 já sucumbiram à fome e à desnutrição.

Ataques aéreos realizados com frequência com munições fornecidas pelos EUA e seus aliados frequentemente atingem áreas com civis. Os sauditas dizem que estão agindo em apoio ao presidente exilado, Abd Rabbu Mansour Hadi, contra os houthis iemenitas que controlam a maior parte do país.

Riad e seus aliados ocidentais acusam o grupo de oposição de um aliado próximo do Irã.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала