Mueller: 'Encontros entre equipe de Trump e Rússia são insuficientes para provar conluio'

© AP Photo / Andrew HarnikO ex-diretor do FBI Robert Mueller, o conselheiro especial sondando a interferência russa na eleição de 2016, deixa o Capitólio após uma reunião a portas fechadas em Washington. (Arquivo)
O ex-diretor do FBI Robert Mueller, o conselheiro especial sondando a interferência russa na eleição de 2016, deixa o Capitólio após uma reunião a portas fechadas em Washington. (Arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Departamento de Justiça dos EUA divulgou há pouco o relatório da investigação conduzida pelo procurador especial Robert Mueller sobre suposto conluio entre Trump e a Rússia. Documento tem quase 450 páginas divididas em dois volumes.

De acordo com o relatório redigido por Mueller, investigadores "identificaram numerosos contatos entre conselheiros de campanha e nacionais russos afiliados ao governo durante a campanha e após a eleição", conforme citou o The New York Times. 

Donald Trump (Arquivo) - Sputnik Brasil
Trump ataca investigação de Mueller: 'Maior farsa política de todos os tempos'
Nem todos os encontros tiveram natureza política, porém. Segundo Mueller, conforme citado pelo jornal, russos também procuraram representantes do presidente para lidar com assuntos comerciais. O procurador se disse incapaz de determinar que tais contatos configuram algum tipo de conluio ou conspiração ilegal.

Mueller detalha no documento alguns destes encontros. O texto detalha que o contato de Trump com a Rússia começou antes do início oficial da campanha, quando Trump assinou uma carta de intenções que previa a construção de uma Trump Tower em Moscou. O então advogado pessoal do bilionário, Michael Cohen, teria enviado um e-mail para tratar do assunto com o hoje secretário de imprensa do presidente Vladimir Putin, Dmitry Peskov.

Um advogado russo também teria se encontrado com membros da equipe de campanha do republicano — incluindo o genro de Trump, Jared Kushner, o filho Trump Jr. e o coordenador de campanha, Paul Manafort, e ofereceu "documentos e informações oficiais que incriminariam Hillary". O caso já havia sido noticiado pela imprensa americana e Mueller não encontrou evidências de que o suposto advogado agia em nome do governo russo.

Presidente dos EUA, Donald Trump, abraça bandeira americana na reunião anual da Conferência da Ação Política Conservadora (CPAC), perto de Washington, EUA, em 2 de março de 2019 - Sputnik Brasil
Investigação de Mueller não encontra conluio entre Trump e Rússia nas eleições de 2016
O texto também traz relatos de esforços empreendidos pela equipe de Donald Trump em atrasar, atacar ou atrapalhar a investigação de Mueller. O procurador especial, porém, se disse incapaz de decidir se o presidente atuou para obstruir a justiça, já que atos como a demissão do ex-diretor do FBI, James Comey, fazia parte de suas atribuições presidenciais.

Autoridades russas contestam as alegações desde 2016, acusando a classe política e a imprensa norte-americana de justificar a derrota de Hillary Clinton com uma mentira, além de usar o caso para  desviar a atenção do público de casos reais de fraude eleitoral e corrupção.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала