Mídia: chefe da CIA, alvo de boatos de tortura, induziu Trump a expulsar diplomatas russos

© AFP 2022 / Saul LoebA diretora da CIA, Gina Haspel, e presidente americano, Donald Trump
A diretora da CIA, Gina Haspel, e presidente americano, Donald Trump - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A diretora da CIA, Gina Haspel, cercada por escândalo de tortura, convenceu o presidente americano, Donald Trump, a expulsar 60 diplomatas russos com imagens emocionais, informou o jornal The New York Times.

Segundo o jornal, em março de 2018, oficiais de segurança nacional de alto escalão se reuniram na Casa Branca para discutir com Trump como responder ao alegado envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e a filha dele Yulia na cidade britânica de Salisbury (Londres acusou Moscou de ter orquestrado o ataque).

Após o incidente, Londres declarou desejo de que Casa Branca expulsasse dezenas de supostos agentes russos, mas Trump estava cético. Inicialmente, ele considerou o envenenamento uma parte dos jogos legítimos de espionagem, desagradáveis, mas dentro dos limites da espionagem.

Paul Whelan, suposto espião americano detido na Rússia - Sputnik Brasil
Suposto espião americano detido na Rússia é também cidadão britânico, segundo mídia
Entretanto, segundo o jornal The New York Times, durante a discussão do assunto, Haspel, a então vice-diretora da CIA, "descreveu possíveis respostas em voz baixa, mas firme, e depois se inclinou para frente e disse ao presidente que a ‘forte opção’ era expulsar 60 diplomatas" russos.

De acordo com fontes, para Trump concordar com a expulsão, Haspel e outros altos funcionários tentaram convencê-lo que Skripal e sua filha não foram as únicas vítimas do envenenamento efetuado pela Rússia.

"Haspel lhe mostrou imagens fornecidas pelo governo britânico que mostravam crianças hospitalizadas depois de serem contaminadas com o agente nervoso Novichok com o qual foram envenenados os Skripal. Depois ela mostrou uma foto de patos que, segundo as autoridades britânicas, foram inadvertidamente mortos pelo trabalho desleixado de agentes russos", informou o jornal The New York Times.

A Rússia, por sua vez, refutou as acusações do Reino Unido de que estaria envolvida no incidente de Salisbury.

"A Rússia não teve e não tem nada a ver com os eventos em Salisbury, a Rússia não está envolvida de forma alguma", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.

Cidade britânica de Salisbury onde Sergei Skripal e sua filha foram envenenados - Sputnik Brasil
Cidade onde espião russo foi envenenado é eleita melhor lugar para se viver no Reino Unido
A tática de Haspel de usar imagens tocantes para atrair a atenção do presidente realista deu certo: chocado com fotos de patos mortos e crianças doentes, decidiu no fim da reunião concordar com "uma opção forte".

É de assinalar que, segundo o famoso delator, Edward Snowden, Haspel que usava fotos tocantes para pressionar Trump, por sua vez, participou do programa de torturas cruel e encomendou a destruição do vídeo com evidências.

No ano passado, Snowden informou no Twitter que ela participou do programa de tortura que envolvia bater na barriga de uma mulher grávida, estupro anal de um homem com a comida que ele tentou rejeitar, e congelamento de um prisioneiro algemado até a morte.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала