Maduro ataca discurso de vice-presidente dos EUA no Conselho de Segurança da ONU

© Sputnik / Sergei Guneev / Abrir o banco de imagensNicolás Maduro, presidente da Venezuela (foto de arquivo)
Nicolás Maduro, presidente da Venezuela (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, condenou o discurso do vice-presidente dos EUA, Mike Pence, no Conselho de Segurança da ONU sobre a Venezuela.

O presidente venezuelano criticou fortemente o vice-presidente dos EUA por este ter comparado o atual governo venezuelano com o da Alemanha nazista. 

"Hoje ele [Pence] foi à ONU para declarar que sou Adolf Hitler e que o mundo deveria unir-se como se uniu contra Adolf Hitler. Acredito que Adolf Hitler está no outro lado. Os supremacistas, os fascistas, os racistas não estão governando na Venezuela, estão governando no Norte", afirmou Maduro.

Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro - Sputnik Brasil
Maduro: 'império' americano está conduzindo guerra não convencional contra Venezuela
"Um discurso cheio de mentiras, falsidade, manipulação, notícias falsas, malcheiroso, o discurso de Mike Pence fede, seu discurso sobre a Venezuela fede", afirmou o presidente em uma transmissão na rádio e televisão.

Além disso, Maduro negou que, no Conselho de Segurança, Pence tenha ameaçado a Venezuela com uma invasão militar.

Da mesma forma, o chefe de Estado lembrou ao governo de Donald Trump que, na Venezuela, o presidente não é escolhido por um funcionário dos EUA.

"Hoje [Mike Pence] fez um discurso como candidato presidencial dos EUA […] eles acreditam no império que manda, que governa, que derruba e coloca [no poder]. Não, senhor Pence, na Venezuela o presidente não é colocado por si", declarou Maduro.

O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, gesticula durante o evento de criação da Força Espacial dos EUA. - Sputnik Brasil
Vice dos EUA acusa a China e a Rússia de impedir ações contra a Venezuela
Anteriormente, Pence disse ao representante da Venezuela na ONU, Samuel Moncada, que deveria se demitir daquele órgão e exigiu ao Conselho de Segurança que reconheça o opositor Juan Guaidó como presidente venezuelano.

Em 21 de janeiro, na Venezuela tiveram início protestos em massa contra o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, logo depois de ele assumir o segundo mandato presidencial.

Em 23 de janeiro, o líder da oposição do país, Juan Guaidó, se autoproclamou presidente interino, tendo sido apoiado pelo Brasil, EUA e vários outros países. Maduro recebeu o apoio de tais países como a Rússia, México, China, Turquia, Indonésia e outros.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала