EUA consideram injetar dólares na Venezuela se regime de Maduro cair

© Sputnik / Alejandro Martinez Velez / Abrir o banco de imagensManifestantes nas ruas de Madri apoiando o presidente legítimo da Venezuela, Nicolás Maduro
Manifestantes nas ruas de Madri apoiando o presidente legítimo da Venezuela, Nicolás Maduro - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O conselheiro do presidente Trump para a Política Econômica e diretor do Conselho Econômico Nacional norte-americano, Larry Kudlow, disse que Washington está considerando injetar dólares em espécie na Venezuela se o regime do presidente venezuelano Nicolás Maduro cair.

Durante um evento realizado na quarta-feira (3), em Washington, Larry disse que os EUA se reuniram com o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, para desenvolver um plano de resgate e reestruturação econômica no país, para que possa ser iniciado imediatamente caso Maduro renuncie ou seja deposto, informou a Bloomberg.

O conselheiro econômico americano afirmou que EUA estão planejando utilizar "bancos, iPhones, aplicativos e muitas maneiras inteligentes de fazer chegar dinheiro lá".

"O dinheiro não será em bolívares [moeda venezuelana], será em dólares. Pelo menos no início, porque não há demanda por bolívares", declarou o conselheiro, adicionando que o objetivo é colocar dinheiro diretamente nas mãos dos venezuelanos.

Se a liderança no país bolivariano mudar, a Casa Branca "se moverá rapidamente". Todos os órgãos econômicos mundiais, como o Tesouro dos EUA, o Conselho de Segurança Nacional, NEC e Fundo Monetário Internacional, estão trabalhando no plano.

Presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó (imagem de arquivo) - Sputnik Brasil
Guaidó poderia tentar criar órgãos de poder paralelos na Venezuela, supõe analista
Os EUA advertiram explicitamente contra o perigo de prejudicar o líder da oposição e intensificaram as sanções contra a Venezuela e as autoridades do regime.

A crise econômica e humanitária profunda que alastra no país venezuelano se agravou ainda mais no final de janeiro, quando Guaidó se autoproclamou presidente interino do país. Maduro confirma que o problema na Venezuela é fruto de sabotagem orquestrada por s oponentes no país e no exterior.

Vários países ocidentais, liderados pelos EUA, anunciaram o reconhecimento do líder da oposição. Rússia, China, Turquia e outras nações apoiam Maduro como único presidente legítimo.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала