Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

EUA não descartam ataque nuclear preventivo para reforçar dissuasão, segundo relatório

© AFP 2021 / PAUL CROCKBombardeiro B-1B da Força Aérea dos EUA (foto de arquivo)
Bombardeiro B-1B da Força Aérea dos EUA (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga no
Washington diz que não quer focar na política de "não ser o primeiro" a utilizar armas nucleares, já que a doutrina em questão poderia pôr em dúvida sua capacidade de defender parceiros, de acordo com o relatório do subsecretário adjunto de Defesa norte-americano, David Trachtenberg.

O documento, de 28 de março de 2019, frisa que Washington há muito tempo mantém uma política de "ambiguidade construtiva", que "dissuadiu os potenciais adversários de coação ou de agressão nuclear desde o início da era nuclear".

"A política de 'não ser o primeiro' [a utilizar armas nucleares] minaria a dissuasão ampliada dos EUA e prejudicaria a saúde de nossos aliados, já que poria em dúvida a garantia de que os Estados Unidos defenderiam seus aliados em circunstâncias extremas", afirmou Trachtenberg.

A SCO ratificou na sexta-feira (10) uma resolução sobre o início dos procedimentos de expansão do grupo, abrindo a possibilidade de adesão plena da Índia e do Paquistão ao bloco - Sputnik Brasil
Paquistão cita Don Quixote para criticar sonhos da Índia de uma guerra espacial
Além disso, o relatório indicou quais são as "circunstâncias extremas" que impulsionariam as autoridades dos EUA a usar armas. Entre outras causas, foram mencionados "ataques estratégicos significativos não nucleares" contra civis, instalações, forças nucleares e os comandos deles não somente dos EUA, mas também dos aliados.

Ao mesmo tempo, Trachtenberg indicou que a incerteza sobre a garantia de segurança poderia fazer com que os sócios dos EUA comecem a desenvolver próprias armas nucleares para proteção.

O Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), assinado em 1987 entre os EUA e a URSS, foi um dos pilares do moderno regime de supervisão e controle sobre a não proliferação das armas nucleares. Os EUA suspenderam suas obrigações no âmbito do tratado no dia 2 de fevereiro, ao acusarem a Rússia de violá-lo. No dia 3 de março, o presidente russo, Vladimir Putin, assinou o decreto para a suspensão do Tratado INF.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала