Astrônomos registram fortíssima tempestade em planeta longínquo (FOTO, VÍDEO)

Nos siga noTelegram
O telescópio europeu GRAVITY recebeu as primeiras fotografias detalhadas da atmosfera incomum de um planeta distante que se encontra a uma distância de 130 anos-luz da Terra.

Todas as investigações dos cientistas quanto ao assunto foram apresentadas na revista Astronomy & Astrophysics.

"Nossas observações mostram que este planeta se parece com uma bola de gás que é iluminada por dentro. Às vezes os raios de luz atravessam a espessura das nuvens escuras e o tornam mais brilhante. A convecção eleva e move essas nuvens e, com o tempo, elas se desintegram e chovem com gotículas de ferro e silicatos", explica Sylvestre Lacour da Universidade Paris-Sorbonne (França).

Nascimento de um planeta gasoso, parecido com Júpiter no nosso Sistema Solar, há bilhões de anos (ficção) - Sputnik Brasil
Migração espacial: Júpiter viajou pelo Sistema Solar há 4,5 bilhões de anos
As observações foram realizadas usando o telescópio GRAVITY, que combina a potência de quatro telescópios auxiliares com os espelhos de oito metros de diâmetro instalados no Observatório do Paranal, no Chile, e trabalha em conjunto com o VLT — o maior dispositivo óptico desse gênero no mundo.

O GRAVITY descobriu o sistema estelar HR 8799 na constelação de Pegasus, localizado a uma distância de 130 anos-luz da Terra. Essa jovem estrela atrai os astrônomos desde 2008, quando vários planetas gigantes foram encontrados em sua proximidade.

​​Em particular, a atenção dos cientistas foi atraída para o planeta HR 8799e, que está localizado mais próximo da estrela e faz uma volta completa ao seu redor em 45 anos. É cerca de sete vezes mais pesado que Júpiter e se encontra na fronteira entre os planetas e as anãs marrons — estrelas "falhadas", cuja massa não foi suficiente para iniciar reações termonucleares no seu centro.

Devido à sua pouca idade e grandes dimensões, ele produz enormes quantidades de calor e luz. Isso permitiu que Lacourt e seus colegas a vissem "diretamente", usando o telescópio, e analisassem alguns detalhes da estrutura de sua atmosfera.

Un asteroide (ilustración) - Sputnik Brasil
NASA poderia estudar 3º maior asteroide do Sistema Solar
As fotografias obtidas demonstraram que o raio "visível" do planeta era um pouco menor do que foi calculado no início. Ou seja, sua dimensão transversal era menor que a de Júpiter.

Essas discrepâncias estavam relacionadas ao fato de que uma poderosa tempestade afetou a atmosfera desse gigante gasoso e gerou um grande número de nuvens exóticas de gotículas de quartzo líquido e ferro. Essas nuvens tornavam o HR 8799e menos brilhante do que os cientistas esperavam ver.

​"Descobrimos que a atmosfera contém muito mais monóxido de carbono do que metano, o que não deve ser típico de sistemas que buscam atingir o mínimo energético. Essa surpresa pode ser explicada pelo fato de haver ventos fortes na atmosfera do HR 8799e, impedindo que o CO interaja com o hidrogênio e se transforme em metano", explica Lacour.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала