Putin só está reagindo às agressões dos EUA e da OTAN, diz ex-congressista americano

© Sputnik / Aleksandr AstafyevPresidente russo Vladimir Putin durante cerimônia solene de posse no Kremlin, 7 de maio de 2018, Moscou
Presidente russo Vladimir Putin durante cerimônia solene de posse no Kremlin, 7 de maio de 2018, Moscou - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ex-congressista Ron Paul quer que os EUA e a Rússia cheguem a um acordo antes que sua postura militar fique fora de controle, ao mesmo tempo em que elogiou a resposta "razoável" do presidente Vladimir Putin à retirada dos EUA do Tratado INF.

"Não há nenhuma razão no mundo para que dois países, como a Rússia e os Estados Unidos, não consigam se dar bem", disse Paul à RT, apontando para a cooperação das duas nações logo após a queda da União Soviética.

"Por que não tiramos vantagem real da eliminação da Guerra Fria em 1989-1990?", acrescentou.

Paul demonstrou estar descontente com a postura bélica de ambos os países.

"Eu gostaria que os dois apenas se acalmassem", afirmou, culpando a decisão do governo Trump de retirar o Tratado INF para "acelerar o conflito".

Contudo, o ex-congressista dos EUA sugeriu que Putin tem "mais legitimidade" porque ele está apenas respondendo à agressão dos EUA e da OTAN, enquanto Trump pode estar usando a dissolução do tratado como uma desculpa para construir mais armas.

Presidente russo, Vladimir Putin, parabenizando os cidadãos russos pelo Ano Novo - Sputnik Brasil
Putin espera que divergências entre Rússia e EUA não gerem nova 'Crise dos Mísseis'

"Eu só gostaria que pudéssemos trabalhar em pessoas que se dão bem juntas, porque se você ameaçar alguém, ou parece que você é, um país é obrigado a se proteger", comentou. "Pode ser apenas retórica - forte retórica - para mostrar que ambos os lados são duros, mas eventualmente, acidentes podem acontecer, e então há ramificações".

"O objetivo é ter paz negociando e lidando com pessoas, não pela força das armas e matando pessoas, intimidando e aplicando sanções", avaliou.

Paul pediu a Washington que pense duas vezes antes de comprometer mais recursos para a corrida armamentista.

"Acho que estamos muito mais seguros do que as pessoas em Washington e as pessoas que constroem nossas armas afirmam que somos, porque mesmo que não seja pelo fato da agressão e começar uma guerra, eu acho que as pessoas, quando ganham lucros, constroem armas, é provável que eles promovam problemas", concluiu.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала