Descoberta estrela morta que ainda continua 'alimentando' anéis de poeira

Nos siga noTelegram
Uma cientista da NASA detectou uma antiga e fria estrela morta, que pode fornecer uma janela para o destino de bilhões de anos de nosso Sistema Solar.

A cientista alemã, Melina Thevenot, detectou uma anormalidade enquanto estava analisando dados coletados pela missão espacial Gaia da Agência Espacial Europeia.

Universo (imagem referencial) - Sputnik Brasil
'Maiores enigmas da astrofísica': cientistas encontram parte 'faltante' do Universo
Primeiramente, a cientista acreditou que havia algo de errado com as informações, entretanto, ao analisar o banco de imagens do telescópio receptor de ondas infravermelhas da NASA (WISE) ativo na missão, a cientista presumiu que as informações poderiam ser úteis, decidindo apresentá-las à equipe de cientistas que está trabalhando no projeto Backyard Worlds: Planet 9.

Com as novas informações, os líderes do projeto decidiram reposicionar o telescópio Keck II no Havaí em uma tentativa de analisar profundamente, confirmando, posteriormente, que não havia erros nas informações, mas, sim, havia uma estrela anã, anciã e fria, além de ser circulada por diferentes anéis de poeira, segundo o The Astrophysical Journal Letters.

"Essa estrela anã branca é tão antiga que, qualquer que seja o processo de alimentação de material para seus anéis, deve estar operando em escala de bilhões de anos", afirmou John Debes, astrônomo e líder do estudo, ressaltando que "essa estrela realmente está desafiando nossas hipóteses de como sistemas planetários evoluem".

A estrela morta descoberta J0207 é do tamanho da Terra e está localizada a aproximadamente 145 anos-luz do nosso planeta.

Erupção solar (imagem ilustrativa) - Sputnik Brasil
Astrônomos registram 'explosão mortífera' em estrela vizinha
Além disso, a equipe acredita que a estrela morta possua dois discos de poeira, sendo que o primeiro hospeda um misterioso fenômeno, segundo o portal CNET.
Antigas anãs brancas não costumam preservar discos de poeira, isso porque todo material são reduzidos lentamente dentro da estrela.

"O que torna esta anã branca tão interessante é que ela é mais antiga do que as tradicionais anãs brancas empoeiradas", afirma Debes.

Além disso, pode prever o destino do nosso sistema planetário, o que está por vir na Terra. Eventualmente, nosso Sol expandirá em um "gigante vermelho", engolindo Mercúrio e Vênus, ou até mesmo, a Terra.

Em 2017, a NASA e outros institutos científicos lançaram projeto Backyard Worlds: Planet 9, que utiliza dados do WISE para buscar planetas escondidos em torno do nosso Sistema Solar.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала