- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

© AFP 2022 / SAUL LOEBAlmirante Craig Faller, chefe do Comando Sul dos EUA, durante audiência no senado norte-americano em 7 de fevereiro de 2019
Almirante Craig Faller, chefe do Comando Sul dos EUA, durante audiência no senado norte-americano em 7 de fevereiro de 2019 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.

Bandeiras do Brasil e dos EUA - Sputnik Brasil
General brasileiro integrará Exército dos EUA para barrar 'ameaças' da Rússia e China
De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

"Certamente, essa presença de um oficial, general, do Brasil no Comando Sul é algo que atrapalha, sim, as relações bilaterais, seja do Brasil com a Rússia ou do Brasil com a China", disse ele em entrevista à Sputnik Brasil, explicando que a tendência é que isso afete apenas o campo político, não extrapolando para o setor econômico, por conta de um conjunto de fatores recentes. 

O analista destaca que a surpresa nesse caso se dá pelo fato de esse tipo de prática não ser comum nas relações exteriores brasileiras, ao contrário do que ocorre com outros países. 

"Estamos habituados a ver nossos generais, oficiais de alta patente, participando de missões internacionais sob bandeiras de organismos internacionais, como a ONU ou como a OEA. Mas vermos um general brasileiro no Comando Sul, sob o comando norte-americano, é algo realmente que causa espécie e certamente tem, sim, capacidade de interferir nas relações com atores de grande envergadura, como são Rússia e China."

Em recente comentário sobre o assunto, o ex-chanceler brasileiro e ex-ministro da Defesa Celso Amorim disse que o Brasil estaria se "metendo em uma arapuca" ao aceitar esse tipo de cooperação militar com os Estados Unidos. Segundo Velasco, do lado americano, esse tipo de postura representaria um sinal de elevado nível de confiança mútua, "o que não deixa de ser algo positivo", embora existam "outras maneiras de fazer isso":

"Existem múltiplos acordos possíveis. O Brasil, aliás, tem vários firmados com os Estados Unidos ao longo de sua história que servem ao mesmo propósito, de garantir confiança mútua, troca de informações, cooperação no âmbito de armamento, manobras militares conjuntas… Isso é relativamente comum." 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала