Príncipe saudita visitará a China

© AP Photo / Saudi Press AgencyMohammed bin Salman.
Mohammed bin Salman. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman visitará a China na próxima semana, disse nesta sexta-feira (15) o Ministério das Relações Exteriores de Pequim.

O líder da Arábia Saudita, que é suspeito de ter envolvimento no assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, visitará a China na próxima quinta e sexta-feira e se encontrará com o presidente chinês Xi Jinping e vice-primeiro-ministro Han Zheng.

A agenda buscará "promover o maior desenvolvimento das relações sino-sauditas" e "aprofundar a cooperação" na iniciativa da Rota da Sena, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang, em coletiva de imprensa.

A viagem acontece quando os sauditas, os maiores exportadores de de petróleo do mundo, buscam investir em projetos de refinaria e petroquímica para garantir compradores de longo prazo de seu petróleo.

Mohammad bin Salman Al Saud, príncipe herdeiro da Arábia Saudita - Sputnik Brasil
UE estuda incluir Arábia Saudita em lista de países com 'dinheiro sujo'
Mohammed bin Salman também fará visitas no Paquistão, Índia, Malásia e Indonésia.

O príncipe herdeiro visita o Paquistão no fim de semana — e os dois países devem assinar vários acordos.

Um deles deve ser o da construção de um complexo de petróleo e refino de US$ 10 bilhões no porto estratégico de Gwadar, no Paquistão, no Mar da Arábia.

Gwadar é um local-chave nos planos para o gigantesco corredor econômico China-Paquistão, uma coleção de projetos de infraestrutura vistos como vitais para a Rota da Seda.

A empreitada liderada pela China envolve investimentos no valor de US$ 60 bilhões em projetos em diversos países.

As viagens do príncipe herdeiro ocorrem no contexto da crise diplomática desencadeada pelo assassinato brutal na Turquia do jornalista saudita Khashoggi.

Presidente chinês Xi Jimping e o presidente venezuelano Nicolás Maduro antes de encontro bilateral em Pequim, China, 7 de janeiro de 2016 - Sputnik Brasil
China volta a criticar interferência externa na política interna da Venezuela
O jornalista dissidente foi desmembrado após seu assassinato em 2 de outubro no consulado saudita em Istambul, mas seus restos mortais ainda não foram encontrados.

O herdeiro do reino do Golfo tenta se vender como um reformista dos costumes sauditas, mas o episódio envolvendo Khashoggi manchou sua empreitada. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала